Deninho Casarini é bicampeão do Rally do Sertões 2021

Enquanto Deni Nascimento cumpre estratégia e termina em sexto no Top 10, Helena Deyama mostra a força das mulheres na competição.

Deninho Casarini e Ivo Mayer são campeões da edição 2021. Foto: Fotop

Deninho Casarini e Ivo Mayer são campeões da edição 2021. Foto: Fotop

Depois de mais de 30 horas e oito etapas, Deninho Casarini conquistou o bicampeonato do Rally dos Sertões 2021 ao lado de seu parceiro e navegador Ivo Mayer na categoria UTV. “A alegria veio um dia antes. Estamos muito felizes. Foi uma competição muito difícil e com muita adversidade. Mas tivemos foco e conseguimos finalizar com o melhor tempo. A sensação a bordo do nosso Can-Am Maverick X3 foi de dever cumprido”, celebrou o piloto da Casarini Racing.

As chuvas fortes na divisa entre Alagoas e Pernambuco levaram a organização do maior rali das Américas a transformar, por segurança, a nona e decisiva etapa em um deslocamento, entre Arapiraca (AL) e Tamandaré (PE). Com isso, o sábado e o estágio entre Delmiro Gouveia e Arapiraca se tornaram decisivos e de comemorações para a dupla vencedora. E não só para eles como também para Deni para Nascimento e Idali Bosse, que encerraram o dia no sexto lugar no ranking acumulado em uma aposta certeira e estratégica para entrar no Top 10 e pontuar no campeonato brasileiro. O início desafiador para Nascimento e Bosse os levou a uma corrida de recuperação.

O trajeto do sábado 21 de agosto que, pela primeira vez em 29 anos, contemplou as belezas de Alagoas, teve início com um pequeno deslocamento inicial e largou na saída da cidade de Delmiro Gouveia, cujo nome remete ao grande comerciante da época que ficou rico vendendo couro de bode para Nova Iorque. Apesar de ter sido uma prova curta, com apenas 249Km (151 cronometrados), os pilotos tiveram um trabalho duro e enfrentaram estradas de fazendas com muita erosão e pedras, travessias de rios e trechos estreitos. Pura emoção.

Para Nascimento e Bosse, dupla apoiada pela Can-Am, a especial do sábado foi muito dura, porém conseguiram concluir com o objetivo que traçaram, de escalar na especial: “Mantemos um ritmo bem conservador, porém sem arriscar muito. Nosso Maverick X3 se comportou muito bem e foi motivo da nossa comemoração”.

Os trechos de alta velocidade e as descida exigiram muito dos pilotos e seus navegadores. Reinaldo Varela, da equipe Can-Am Monster Energy Varela Racing, finalizou o dia na décima posição muito grato ao lado de seu parceiro Gunnar Dums: “Esta foi uma das edições mais difíceis para a nossa equipe. Apesar de termos tido bons dias, nos quais chegamos a liderar o rali, nosso time passou por muitas situações difíceis. A começar pela cirurgia de emergência para eliminação de uma apendicite feita às vésperas da largada e que tirou o meu filho Bruno Varela da prova e nos deixou com um carro a menos. O importante é que o time ficou unido e nossa família foi firme até o final. Essas dificuldades não são raras no mundo dos ralis e elas só nos unem ainda mais, tanto como família quanto como time”, salientou o patriarca da Família da Poeira, também tricampeão mundial e campeão do Rally Dakar.

Após correr o Sertões de ponta a ponta pela primeira vez apoiado pela Can-Am, Nelsinho Piquet também comemorou a experiência, considerando a oportunidade grandiosa: “Agora que a parte de especiais e adrenalina acabaram posso dizer que foi muito bom. Estou feliz em ter completado a prova e só tenho a agradecer aos patrocinadores e apoiadores pela oportunidade. Também quero agradecer meu navegador Flavio França por participar desta jornada comigo. Tirei muitas lições sobre o estilo de pilotagem a bodo do Maverick X3, os terrenos no rali, os limites e espero estar novamente em 2022”.

A força das mulheres

Helena Deyama representante feminina da Can-Am no Sertões 2021, juntamente com sua navegadora Cristina Possetti, levou toda a competição de uma forma leve: “Nossa estratégia este ano foi fazer uma prova conservadora, não quisemos quebrar nada e nossa manutenção foi apenas preventiva. O Maverick X3 se comportou muito bem e nos levou até o fim do jeito que planejávamos e finalizamos na trigésima-primeira colocação. Mas o mais importante mesmo foi que curtimos demais do começo ao fim, cumprindo nosso objetivo e especialmente levando a nossa mensagem do poder feminino. Passamos por cenários memoráveis que guardaremos para sempre na memória”.

Com o cancelamento da última especial em função das chuvas, competidores fazem o deslocamento deste domingo, 22 de agosto, de Arapiraca (AL) a Tamandaré (PE), num total de 320Km. Ao final, haverá a formalização dos campeões da edição e a entrega das medalhas a todos que completaram um dos mais técnicos e belos do Sertões em 29 anos de história.

Resultados extraoficiais – etapa 8 (Geral)

1.   A Miguel/F Mota, 2h48min12s

2.   C Batista/R Nicoletti, a 01min02s0

3.   F Pirondi/M Ritter, a 01min26s0

4.   Deni Nascimento/Idali Bosse, a 01min39s0

5.   Rodrigo Luppi/Maykel Justo, a 02min25s0

6.   E Bozzano/W Rezende, a 03min00s0

7.   J Dias/J Filipe, a 03min20s0

8.   W Campos/L Sobreira, a 04min05s0

9.   A Hort/M Mazzei, a 04min13s0

10. R Varela /G Dums, a 04min20s0

Resultados extraoficiais – etapa 8 (Acumulado)

  1. Denísio Casarini/Ivo Mayer – Can-Am – 30:36:29
  2. André Hort/Matheus Mazzei – Can-Am – + 16:11min
  3. Rodrigo Luppi/Maykel Justo – Can-Am – + 18:45min
  4. João Monteiro/Victor Hugo Melo – Can-Am – + 22:21min
  5. Gabriel Cestari/Jhonatan Ardigo – Can-Am – + 34:43min
  6. Deni Nascimento/Idali Bosse – Can-Am – + 44:42min
  7. A Montani/H Ribeiro – Can-Am – + 46:48min
  8. C Currie/S Laxon – - + 49:56min
  9. Edu Piano/Solon Mendes – Can-Am – + 51:13min
  10. J Dias/J Filipe – Can-Am – + 01:04min

Sobre canam

Blog oficial Can-Am Off-Road Brasil.
Esta entrada foi publicada em Can-Am no Sertões e marcada com a tag , , , . Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Os comentários estão encerrados.