Rally Dakar – Brasileiros superam a primeira parte da etapa Maratona

A bordo do UTV Can-Am Maverick X3, Reinaldo Varela e Gustavo Gugelmin concluem na quarta posição o trecho disputado entre Arequipa e Tacna, no Peru, sem apoio mecânico externo; Dupla segue na cola dos líderes da prova
Fonte: Mundo Press

Reinaldo Varela e Gustavo Gugelmin, em ação na quarta etapa do Rally Dakar, no Peru, a bordo do UTV Can-Am Maverick X3 Crédito: Vinicius Branca/photosdakar.com

Reinaldo Varela e Gustavo Gugelmin, em ação na quarta etapa do Rally Dakar, no Peru, a bordo do UTV Can-Am Maverick X3 Crédito: Vinicius Branca/photosdakar.com

Em busca do bicampeonato da categoria para UTVs no Rally Dakar, a dupla Reinaldo Varela e Gustavo Gugelmin, da equipe Monster Energy/Can-Am, superou a primeira parte da etapa Maratona, realizada nesta quinta-feira (10) entre as cidades de Arequipa e Tacna, no Peru. Os brasileiros completaram a jornada no quarto posto, mantendo a quarta posição na tabela de classificação com o veículo Can-Am Maverick X3 – o UTV de nove entre os 10 mais rápidos no maior rali do mundo. A disputa foi válida pela quarta etapa da programação, sendo que nesta sexta-feira (11) os competidores seguem proibidos de contar com apoio mecânico externo.

Varela e Gugelmin tiveram contratempos no final da quarta etapa, formada por 664 quilômetros (405 de trechos cronometrados) e paisagens de longas retas, altas velocidades, fesh fesh e muitas pedras.

“Vínhamos numa prova excelente, tirando a diferença para os ponteiros, mas a 10 quilômetros do final batemos em uma pedra gigante e dois pneus foram furados de uma só vez. Perdemos algum tempo para trocar”, contou o navegador catarinense Gustavo Gugelmin. “Apesar disso, o UTV Can-Am Maverick X3 não tem nenhum problema, então na quinta etapa vamos remar tudo de novo e ir atrás dos líderes”, concluiu.

A segunda perna da etapa Maratona irá de Tacna a Arequipa, com 714 quilômetros de percurso (517 quilômetros de especiais). Após o desgastante desafio sem auxílio mecânico externo, haverá uma pausa de um dia para descanso neste sábado (12), em Arequipa.

O 41º Rally Dakar conta com 10 etapas e 5.600 quilômetros no total (sendo 3.096 de especiais), sendo que o término das disputas será no dia 17 de janeiro, na capital peruana. Além de UTVs, a competição, que neste ano será disputada integralmente em território peruano, possui categorias para motos, carros, quadriciclos e caminhões.

Rally Dakar 2019 – Categoria UTVs (SxS)

Resultados da 4ª etapa (extraoficiais)

1 – #344 – Sergei Kariakin (RUS) / Anton Vlasiuk (LET) – 4:23:59 – Can-Am Maverick X3
2 – #421 – Rodrigo Piazzoli / Jorge Diaz (CHI) – 4:38:25 – Can-Am Maverick X3
3 – #358 – Farres Guel / Daniel Carreras (ESP) – 4:40:07 – Can-Am Maverick X3
4 – #340 – Reinaldo Varela / Gustavo Gugelmin (BRA) – 4:50:10 – Can-Am Maverick X3
5 – #361 – Ignacio Casaele / Americo Aliaga (CHI) – 4:57:09
6 – #372 – Miguel Jordão (POR) / Lourival Roldan Justo (BRA) – 5:07:14 – Can-Am Maverick X3
7 – #412 – Marcos Baumgart / Kleber Cincea (BRA) – 5:09:13 – Can-Am Maverick X3
8 – #398 – Cristian Baumgart / Alberto Andreotti (BRA) – 5:15:04 – Can-Am Maverick X3
9 – #343 – Casey Currie (EUA) / Rafael Córdoba (ESP) – 5:17:50 – Can-Am Maverick X3
10 – #378 – Ricardo Porém / Jorge Monteiro (POR) – 5:24:14 – Can-Am Maverick X3

Classificação acumulada após quatro etapas (extraoficial)

1 – #344 – Sergei Kariakin (RUS) / Anton Vlasiuk (LET) – 14:32:33 – Can-Am Maverick X3
2 – #358 – Farres Guel / Daniel Carreras (ESP) – 14:43:59 – Can-Am Maverick X3
3 – #421 – Rodrigo Piazzoli / Jorge Diaz (CHI) – 15:02:33 – Can-Am Maverick X3
4 – #340 – Reinaldo Varela / Gustavo Gugelmin (BRA) – 15:03:03 – Can-Am Maverick X3
5 – #360 – Francisco Contardo / Álvaro Quintanilla (CHI) – 15:41:21 – Can-Am Maverick X3
6 – #412 – Marcos Baumgart / Kleber Cincea (BRA) – 15:44:46 – Can-Am Maverick X3
7 – #372 – Miguel Jordão (POR) / Lourival Roldan Justo (BRA) – 16:01:24 – Can-Am Maverick X3
8 – #361 – Ignacio Casaele / Americo Aliaga (CHI) – 16:10:35
9 – #343 – Casey Currie (EUA) / Rafael Córdoba (ESP) – 16:14:21 – Can-Am Maverick X3
10 – #378 – Ricardo Porém / Jorge Monteiro (POR) – 16:39:12 – Can-Am Maverick X3

Roteiro do Rally Dakar 2019:

5ª etapa – Sexta-feira (11/1)
Tacna/Arequipa (2º TRECHO DA ETAPA MARATONA)
Quilometragem total – 714 km
Trecho especial (Cronometrado) – 517 km

Descanso – Sábado (12/1)
Arequipa

6ª etapa – Domingo (13/1)
Arequipa/San Juan de Marcona
Quilometragem total – 810 km
Trecho Especial (Cronometrado) – 309 km

7ª etapa – Segunda-feira (14/1)
San Juan de Marcona/San Juan de Marcona
Quilometragem total – 387 km
Trecho especial (cronometrado) – 323 km

8ª etapa – Terça-feira (15/1)
San Juan de Marcona/Pisco
Quilometragem total – 575 km
Trecho especial (cronometrado) – 360 km

9ª etapa – Quarta-feira (16/1)
Pisco/Pisco
Quilometragem total – 409 km
Trecho especial (cronometrado) – 313 km

10ª etapa – Quinta-feira (17/1)
Pisco/Lima
Quilometragem total – 359 km
Trecho especial (cronometrado) -112 km

TOTAL DA PROVA: 5.600 km
TOTAL DE ESPECIAIS: 3.096 km.

Publicado em CAN-AM, CAN-AM DAKAR

Rally Dakar – Brasileiros encaram etapa maratona no Peru

Em quarto lugar na disputa dos UTVs, Reinaldo Varela e Gustavo Gugelmin aceleram com o objetivo de voltar à liderança da categoria; Veículo Can-Am Maverick X3 domina o Top 10 dos UTVs
Fonte: Mundo Press

Reinaldo Varela e Gustavo Gugelmin no Rally Dakar 2019 com o UTV Can-Am Maverick X3 Crédito: Magnus Torquato/photodakar.com

Reinaldo Varela e Gustavo Gugelmin no Rally Dakar 2019 com o UTV Can-Am Maverick X3 Crédito: Magnus Torquato/photodakar.com

Após a disputa da terceira etapa do Rally Dakar, realizada nesta quarta-feira (9), os brasileiros Reinaldo Varela e Gustavo Gugelmin, atuais campeões entre os UTVs da prova, se preparam para encarar a “etapa maratona” nos próximos dois dias de competição. A dupla da equipe Monster Energy/Can-Am finalizou a jornada entre as cidades de San Juan de Marcona e Arequipa, no Peru, na quinta posição. Em quarto na tabela, de acordo com os resultados extraoficias, o próximo objetivo é acelerar em busca da retomada da liderança, que está com a dupla chilena Francisco Contardo e Álvaro Quintanilla. O dia também foi marcado pelo domínio do veículo Can-Am Maverick X3 nas 10 primeiras posições da categoria para UTVs.

“Tivemos um problema no final da especial de hoje, por isso seguramos o ritmo nos últimos 20 quilômetros para terminar o dia. Apesar disso, continuamos entre os mais rápidos e bastante motivados para a etapa maratona”, afirmou o piloto Reinaldo Varela.

Sem permitir auxílio mecânico externo, a primeira perna da etapa maratona será realizada entre as cidades de Arequipa e Tacna, onde os competidores percorrerão 664 quilômetros no terreno desértico peruano (405 deles de trechos cronometrados).

Após a etapa, os veículos ficarão em parque fechado e apenas os competidores poderão fazer a manutenção para o dia seguinte, que inclui o caminho inverso até Arequipa (com 714 quilômetros, sendo 517 de especiais). No sábado (12), está previsto um merecido dia de descanso.

A dupla brasileira está focada em subir degraus na classificação. “Será importante andar com cuidado na etapa maratona, para não ter qualquer problema no caminho, mas vamos acelerar para tirar a diferença das duplas que estão na nossa frente”, disse Varela.

A disputa se encerrará no dia 17 de janeiro, na capital peruana, após a realização de 10 etapas e 5.600 quilômetros percorridos (sendo 3.096 de especiais). Além de UTVs, a competição, que neste ano será disputada integralmente em território peruano, possui categorias para motos, carros, quadriciclos e caminhões.

Rally Dakar 2019 – Categoria UTVs (SxS)

Resultados da 3ª etapa (extraoficiais)

1 – #358 – Farres Guel / Daniel Carreras (ESP) – 4:35:58 – Can-Am Maverick X3
2 – #360 – Francisco Contardo / Álvaro Quintanilla (CHI) – 4:38:01 – Can-Am Maverick X3
3 – #344 – Sergei Kariakin (RUS) / Anton Vlasiuk (LET) – 4:40:40 – Can-Am Maverick X3
4 – #343 – Casey Currie (EUA) / Rafael Córdoba (ESP) – 4:27:27 – Can-Am Maverick X3
5 – #421 – Rodrigo Piazzoli / Jorge Diaz (CHI) – 4:50:29 – Can-Am Maverick X3
6 – #340 – Reinaldo Varela / Gustavo Gugelmin (BRA) – 4:51:34 – Can-Am Maverick X3
7 – #412 – Marcos Baumgart / Kleber Cincea (BRA) – 5:03:21 – Can-Am Maverick X3
8 – #372 – Miguel Jordão (POR) / Lourival Roldan Justo (BRA) – 5:07:49 – Can-Am Maverick X3
9 – #398 – Cristian Baumgart / Alberto Andreotti (BRA) – 5:15:39 – Can-Am Maverick X3
10 – #366 – Hernán Garces / Juan Pablo Latrach (CHI) – 5:17:54 – Can-Am Maverick X3

Classificação acumulada após três etapas (extraoficial)

1 – #360 – Francisco Contardo / Álvaro Quintanilla (CHI) – 10:00:28 – Can-Am Maverick X3
2 – #358 – Farres Guel / Daniel Carreras (ESP) – 10:03:52 – Can-Am Maverick X3
3 – #344 – Sergei Kariakin (RUS) / Anton Vlasiuk (LET) – 10:08:34 – Can-Am Maverick X3
4 – #340 – Reinaldo Varela / Gustavo Gugelmin (BRA) – 10:12:53 – Can-Am Maverick X3
5 – #421 – Rodrigo Piazzoli / Jorge Diaz (CHI) – 10:24:08 – Can-Am Maverick X3
6 – #412 – Marcos Baumgart / Kleber Cincea (BRA) – 10:35:33 – Can-Am Maverick X3
7 – #372 – Miguel Jordão (POR) / Lourival Roldan Justo (BRA) – 10:54:10 – Can-Am Maverick X3
8 – #343 – Casey Currie (EUA) / Rafael Córdoba (ESP) – 10:56:31 – Can-Am Maverick X3
9 – #366 – Hernán Garces / Juan Pablo Latrach (CHI) – 10:59:15 – Can-Am Maverick X3
10 – #431 – José Salaverry / Paul Aray (PER) – 11:08:35 – Can-Am Maverick X3

Roteiro do Rally Dakar 2019:

4ª etapa – Quinta-feira (10/1)
Arequipa/Tacna (1º TRECHO DA ETAPA MARATONA)
Quilometragem total – 664 km
Trecho Especial (cronometrado) – 405 km

5ª etapa – Sexta-feira (11/1)
Tacna/Arequipa (2º TRECHO DA ETAPA MARATONA)
Quilometragem total – 714 km
Trecho especial (Cronometrado) – 517 km

Descanso – Sábado (12/1)
Arequipa

6ª etapa – Domingo (13/1)
Arequipa/San Juan de Marcona
Quilometragem total – 810 km
Trecho Especial (Cronometrado) – 309 km

7ª etapa – Segunda-feira (14/1)
San Juan de Marcona/San Juan de Marcona
Quilometragem total – 387 km
Trecho especial (cronometrado) – 323 km

8ª etapa – Terça-feira (15/1)
San Juan de Marcona/Pisco
Quilometragem total – 575 km
Trecho especial (cronometrado) – 360 km

9ª etapa – Quarta-feira (16/1)
Pisco/Pisco
Quilometragem total – 409 km
Trecho especial (cronometrado) – 313 km

10ª etapa – Quinta-feira (17/1)
Pisco/Lima
Quilometragem total – 359 km
Trecho especial (cronometrado) -112 km

TOTAL DA PROVA: 5.600 km
TOTAL DE ESPECIAIS: 3.096 km.

Publicado em CAN-AM, CAN-AM DAKAR

Rally Dakar – Brasileiros mantêm a liderança entre os UTVs

Reinaldo Varela e Gustavo Gugelmin chegam em segundo lugar na segunda etapa da competição, disputada no Peru, com o UTV Can-Am Maverick X3; Dupla é a atual campeã da categoria
Fonte: Mundo Press

Reinaldo Varela e Gustavo Gugelmin na segunda etapa do Rally Dakar 2019 com o UTV Can-Am Maverick X3 Crédito: André Chaco/photosdakar.com

Reinaldo Varela e Gustavo Gugelmin na segunda etapa do Rally Dakar 2019 com o UTV Can-Am Maverick X3 Crédito: André Chaco/photosdakar.com

A dupla brasileira Reinaldo Varela e Gustavo Gugelmin, da equipe Monster Energy/Can-Am, manteve a liderança entre os UTVs do Rally Dakar após a segunda etapa da prova, realizada nesta terça-feira (8) entre as cidades de Pisco e San Juan de Marcona, no Peru. Atuais campeões da categoria, eles terminaram a jornada 19 segundos atrás dos chilenos Francisco Contardo e Álvaro Quintanilla, garantindo uma vantagem de 1min18seg sobre os adversários, que ocupam a vice-liderança na classificação geral – ambas as duplas aceleram o UTV Can-Am Maverick X3. Os resultados são extraoficiais.

Após etapa inaugural tranquila, Varela e Gugelmin enfrentaram alguns contratempos no percurso do dia, entre eles um pneu furado, o qual foi logo reparado. A segunda etapa contou com 553 quilômetros (342 de trechos cronometrados). “Havia um salto grande que causou o pneu furado, mas depois de corrigirmos o problema fomos embora tranquilos. O Can-Am Maverick X3 está perfeito, chegou inteiro”, disse Reinaldo Varela. “Conseguimos nos recuperar e o saldo final foi muito bom”, comemorou o piloto paulista, celebrando a manutenção da liderança geral entre os UTVs na prova.

Para Gustavo Gugelmin, o “sprint” final dos brasileiros fez com que a dupla chilena Francisco Contardo e Álvaro Quintanilla terminasse a disputa com a pequena margem de 19 segundos frente a eles. “A navegação foi mais difícil hoje, mas fizemos uma reta final excelente e perdemos pouco tempo para os chilenos. No fim, conseguimos manter a liderança, que é o mais importante”, disse o catarinense.

Assim como na etapa inaugural, nove dos dez primeiros colocados pilotaram o Can-Am Maverick X3, incluindo os seis primeiros que cruzaram a linha de chegada em San Juan de Marcona. Após o sétimo posto na etapa de estreia, a dupla brasileira Marcos Baumgart e Kleber Cincea, também a bordo do UTV da marca canadense, alcançou nesta terça-feira um resultado ainda melhor, o quinto lugar.

Nesta quarta-feira (9), os competidores partem para Arequipa, em uma longa jornada que terá 798 quilômetros a serem percorridos. O trecho especial (cronometrado) soma 331 km. Além de UTVs, a competição, que neste ano será disputada integralmente em território peruano, possui categorias para motos, carros, quadriciclos e caminhões. Após 10 etapas e 5.600 quilômetros percorridos (sendo 3.096 de especiais), os pilotos encerrarão a disputa na capital peruana Lima no dia 17 de janeiro.

Rally Dakar 2019 – Categoria UTVs (SxS)

Resultados da 2ª etapa (extraoficiais)

1 – #360 – Francisco Contardo / Álvaro Quintanilla (CHI) – 4:09:47 – Can-Am Maverick X3
2 – #340 – Reinaldo Varela / Gustavo Gugelmin (BRA) – 4:10:06 – Can-Am Maverick X3
3 – #344 – Sergei Kariakin (RUS) / Anton Vlasiuk (LET) – 4:11:38 – Can-Am Maverick X3
4 – #358 – Farres Guel / Daniel Carreras (ESP) – 4:14:09 – Can-Am Maverick X3
5 – #412 – Marcos Baumgart / Kleber Cincea (BRA) – 4:16:04 – Can-Am Maverick X3
6 – #421 – Rodrigo Piazzoli / Jorge Diaz (CHI) – 4:16:42 – Can-Am Maverick X3
7 – #361 – Ignácio Casale / Americo Aliaga (CHI) – 4:19:24
8 – #366 – Hernán Garces / Juan Pablo Latrach (CHI) – 4:21:31 – Can-Am Maverick X3
9 – #378 – Ricardo Porém / Jorge Monteiro (POR) – 4:27:00 - Can-Am Maverick X3
10 – #372 – Miguel Jordão (POR) / Lourival Roldan Justo (BRA) – 4:28:09 – Can-Am Maverick X3

Classificação acumulada após duas etapas (extraoficial)

1 – #340 – Reinaldo Varela / Gustavo Gugelmin (BRA) – 5:21:19 – Can-Am Maverick X3
2 – #360 – Francisco Contardo / Álvaro Quintanilla (CHI) – 5:22:27 – Can-Am Maverick X3
3 – #344 – Sergei Kariakin (RUS) / Anton Vlasiuk (LET) – 5:27:54 – Can-Am Maverick X3
4 – #358 – Farres Guel / Daniel Carreras (ESP) – 5:27:54 – Can-Am Maverick X3
5 – #421 – Rodrigo Piazzoli / Jorge Diaz (CHI) – 5:31:39 – Can-Am Maverick X3
6 – #412 – Marcos Baumgart / Kleber Cincea (BRA) – 5:32:12 - Can-Am Maverick X3
7 - #361 – Ignácio Casale / Americo Aliaga (CHI) – 5:34:16
8 – #366 - Hernán Garces / Juan Pablo Latrach (CHI) – 5:41:21 – Can-Am Maverick X3
9 – #378 – Ricardo Porém / Jorge Monteiro (POR) – 5:45:49 – Can-Am Maverick X3
10 – #372 – Miguel Jordão (POR) / Lourival Roldan Justo (BRA) – 5:46:21 – Can-Am Maverick X3

Roteiro do Rally Dakar 2019:

3ª etapa – Quarta-feira (9/1)

San Juan de Marcona/Arequipa
Quilometragem total – 798 km
Trecho especial (cronometrado) – 331 km

4ª etapa – Quinta-feira (10/1)

Arequipa/Tacna (1º TRECHO DA ETAPA MARATONA)
Quilometragem total – 664 km
Trecho Especial (cronometrado) – 405 km

5ª etapa – Sexta-feira (11/1)

Tacna/Arequipa (2º TRECHO DA ETAPA MARATONA)
Quilometragem total – 714 km
Trecho especial (Cronometrado) – 517 km

Descanso – Sábado (12/1)

Arequipa

6ª etapa – Domingo (13/1)

Arequipa/San Juan de Marcona
Quilometragem total – 810 km
Trecho Especial (Cronometrado) – 309 km

7ª etapa – Segunda-feira (14/1)

San Juan de Marcona/San Juan de Marcona
Quilometragem total – 387 km
Trecho especial (cronometrado) – 323 km

8ª etapa – Terça-feira (15/1)

San Juan de Marcona/Pisco
Quilometragem total – 575 km
Trecho especial (cronometrado) – 360 km

9ª etapa – Quarta-feira (16/1)

Pisco/Pisco
Quilometragem total – 409 km
Trecho especial (cronometrado) – 313 km

10ª etapa – Quinta-feira (17/1)

Pisco/Lima
Quilometragem total – 359 km
Trecho especial (cronometrado) -112 km

TOTAL DA PROVA: 5.600 km
TOTAL DE ESPECIAIS: 3.096 km.

Publicado em CAN-AM, CAN-AM DAKAR

Rally Dakar – Em busca do bi, Reinaldo Varela e Gustavo Gugelmin vencem etapa de abertura

Dupla brasileira começa na frente a disputa da categoria para UTVs a bordo do Can-Am Maverick X3, veículo utilizado por nove entre os 10 competidores mais rápidos da classe
Fonte: Mundo Press

Reinaldo Varela e Gustavo Gugelmin são os mais rápidos dos UTVs com o Can-Am Maverick X3 no primeiro dia do Rally Dakar 2019 Crédito: André Chaco/photosdakar.com

Reinaldo Varela e Gustavo Gugelmin são os mais rápidos dos UTVs com o Can-Am Maverick X3 no primeiro dia do Rally Dakar 2019 Crédito: André Chaco/photosdakar.com

A busca pelo bicampeonato da categoria para UTVs no Rally Dakar não poderia ter começado melhor para os brasileiros Reinaldo Varela e Gustavo Gugelmin. A bordo do Can-Am Maverick X3, mesmo modelo utilizado na campanha do título de 2018, a dupla da equipe Monster Energy/Can-Am venceu a primeira etapa da prova, disputada nesta segunda-feira (7) entre as cidades de Lima e Pisco, no Peru. O triunfo foi obtido com uma vantagem de 1min27seg sobre a dupla Francisco Lopez Contardo e Álvaro Quintanilla, de acordo com os resultados extraoficiais. Os representantes do Chile também utilizam o modelo fabricado pela marca canadense, bem como nove entre os 10 primeiros do ranking dos UTVs.

A abertura da 41ª edição do maior rali do mundo contou com 331 quilômetros de desafios – 84 deles de especiais (trechos cronometrados). “Foi uma etapa prazerosa, um começo bem legal de competição”, afirmou o piloto paulista Reinaldo Varela. Para o navegador Gustavo Gugelmin, a etapa de abertura serviu como reconhecimento do terreno arenoso da região. “Apesar de encararmos alguns trechos de rio seco, com muitas pedras, onde tivemos que ter cuidado, foi um percurso gostoso, com uma navegação tranquila”, disse Gugelmin. “O Can-Am Maverick X3 se comportou de forma fabulosa, sem problema algum, e passamos ilesos pela primeira etapa. Agora vamos tentar nos manter entre os primeiros, porque tem muita prova pela frente”, completou o catarinense.

Estreante na competição, outro integrante da chamada “Família da Poeira”, Bruno Varela, que compete ao lado do navegador Maykel Justo defendendo a equipe Varela Rally Team, finalizou a etapa na décima posição. O filho caçula de Reinaldo Varela, assim como o pai, compete a bordo do Can-Am Maverick X3. Mais um destaque brasileiro na categoria para UTVs foi a dupla Cristian Baumgart / Alberto Andreotti, em sétimo lugar da classificação. Nesta terça-feira (8), os competidores irão encarar 553 quilômetros de percurso, sendo 342 de especiais, entre Pisco e San Juan de Marcona.

O roteiro do Rally Dakar, pela primeira vez na história, será disputado integralmente em um único país, o Peru, e apresenta 70% das disputas nas famosas dunas da região. Além de UTVs, a competição possui categorias para motos, carros, quadriciclos e caminhões. Após 10 etapas e 5.600 quilômetros percorridos (sendo 3.096 de especiais), os pilotos encerrarão a disputa na capital peruana Lima no dia 17 de janeiro.

Rally Dakar 2019 – Categoria UTVs (SxS)

Resultados da 1ª etapa (extraoficiais)

1 – #340 – Reinaldo Varela / Gustavo Gugelmin (BRA) – 1:11:13 – Can-Am Maverick X3
2 – #360 – Francisco Contardo / Álvaro Quintanilla (CHI) – 1:12:40 – Can-Am Maverick X3
3 – #358 – Farres Guel / Daniel Carreras (ESP) – 1:13:45 – Can-Am Maverick X3
4 – #361 – Ignácio Casale / Americo Aliaga (CHI) – 1:14:52
5 – #421 – Rodrigo Piazzoli / Jorge Diaz (CHI) – 1:14:57 – Can-Am Maverick X3
6 – #343 – Casey Currie (EUA) / Rafael Córdoba (ESP) – 1:16:08 – Can-Am Maverick X3
7 – #412 – Cristian Baumgart / Alberto Andreotti (BRA) – 1:16:08 – Can-Am Maverick X3
8 – #344 – Sergei Kariakin (RUS) / Anton Vlasiuk (LET) – 1:16:16 – Can-Am Maverick X3
9 – #431 – José Salaverry / Paul Aray (PER) – 1:17:07 – Can-Am Maverick X3
10 – #397 – Bruno Varela / Maykel Justo (BRA) – 1:17:51 – Can-Am Maverick X3

Roteiro do Rally Dakar 2019:

2ª etapa -Terça-feira (8/1)
Pisco/San Juan de Marcona
Quilometragem total – 553 km
Trecho especial (cronometrado) – 342 km

3ª etapa – Quarta-feira (9/1)
San Juan de Marcona/Arequipa
Quilometragem total – 798 km
Trecho especial (cronometrado) – 331 km

4ª etapa – Quinta-feira (10/1)
Arequipa/Tacna (1º TRECHO DA ETAPA MARATONA)
Quilometragem total – 664 km
Trecho Especial (cronometrado) – 405 km

5ª etapa – Sexta-feira (11/1)
Tacna/Arequipa (2º TRECHO DA ETAPA MARATONA)
Quilometragem total – 714 km
Trecho especial (Cronometrado) – 517 km

Descanso – Sábado (12/1)
Arequipa

6ª etapa – Domingo (13/1)
Arequipa/San Juan de Marcona
Quilometragem total – 810 km
Trecho Especial (Cronometrado) – 309 km

7ª etapa – Segunda-feira (14/1)
San Juan de Marcona/San Juan de Marcona
Quilometragem total – 387 km
Trecho especial (cronometrado) – 323 km

8ª etapa – Terça-feira (15/1)
San Juan de Marcona/Pisco
Quilometragem total – 575 km
Trecho especial (cronometrado) – 360 km

9ª etapa – Quarta-feira (16/1)
Pisco/Pisco
Quilometragem total – 409 km
Trecho especial (cronometrado) – 313 km

10ª etapa – Quinta-feira (17/1)
Pisco/Lima
Quilometragem total – 359 km
Trecho especial (cronometrado) -112 km

TOTAL DA PROVA: 5.600 km
TOTAL DE ESPECIAIS: 3.096 km.

Publicado em CAN-AM, CAN-AM DAKAR

Rally Dakar – Brasileiros buscam bicampeonato entre os UTVs no Peru

Novamente a bordo do Can-Am Maverick X3, Reinaldo Varela e Gustavo Gugelmin aceleram pela vitória na mais importante prova off-road do mundo; Desafio tem início nesta segunda-feira (7)
Fonte: Mundo Press

O piloto Reinaldo Varela já está em Lima, no Peru, para defender o título do Rally Dakar a bordo do Can-Am Maverick X3 Crédito: Divulgação/Varela Rally Team

O piloto Reinaldo Varela já está em Lima, no Peru, para defender o título do Rally Dakar a bordo do Can-Am Maverick X3 Crédito: Divulgação/Varela Rally Team

Em busca do bicampeonato na mais importante competição off-road do planeta, o piloto Reinaldo Varela acelera o UTV Can-Am Maverick X3 a partir desta segunda-feira (7), quando será disputada a etapa de abertura do 41º Rally Dakar entre as cidades de Lima e Pisco, no Peru. O paulista defenderá a equipe Monster Energy/Can-Am ao lado do navegador catarinense Gustavo Gugelmin, repetindo a dupla que trouxe o troféu para o Brasil em 2018.

“Nós já estamos em Lima para cumprir os preparativos finais para a largada. Agora já começa aquela correria boa que antecede a disputa da primeira etapa”, disse Reinaldo Varela, que neste ano terá a companhia do filho caçula, Bruno Varela, de apenas 22 anos, no grid de largada do tradicional certame.

“A equipe Monster Energy/Can-Am já montou o nosso UTV, que chegou de avião, e vamos iniciar os últimos testes”, acrescentou o piloto. A edição deste ano será disputada pela primeira vez em um só país, o Peru, e terá dez etapas – quatro a menos que a prova de 2018. Além de Lima e Pisco, os competidores de UTV também passarão pelas cidades de San Juan de Marcona, Tacna e Arequipa.

A disputa da categoria SxS, como é chamada a disputa entre os UTVs no Rally Dakar, terá 5.600 quilômetros, sendo 3.096 de trechos cronometrados. A edição deste ano registrou uma evolução considerável no número de inscritos da categoria: 34 veículos estarão na disputa, ante 11 inscritos na edição de 2018.

“A expectativa para a disputa é muita boa. A gente se preparou intensamente para a prova nos últimos meses e vai com tudo em busca do bicampeonato com o Can-Am Maverick X3”, disse o patriarca da chamada “Família da Poeira”.

A 41ª edição do Rally Dakar terá 70% de seu percurso realizado no deserto peruano, cujas dunas fofas e encavaladas exigirão bastante habilidade de pilotagem e navegação dos competidores.

A prova deverá ser disputada por 534 competidores e 334 veículos, entre motos, carros, quadriciclos, UTVs e caminhões. Após dez dias de desafios, os pilotos encerrarão a disputa na capital peruana Lima no dia 17 de janeiro.

Roteiro do Rally Dakar 2019:

1ª etapa – Segunda-feira (7/1)
Lima/Pisco
Quilometragem total – 331 km
Trecho especial (cronometrado) – 84 km

2ª etapa – Terça-feira (8/1)

Pisco/San Juan de Marcona
Quilometragem total – 553 km
Trecho especial (cronometrado) – 342 km

3ª etapa – Quarta-feira (9/1)
San Juan de Marcona/Arequipa
Quilometragem total – 798 km
Trecho especial (cronometrado) – 331 km

4ª etapa – Quinta-feira (10/1)
Arequipa/Tacna (1º TRECHO DA ETAPA MARATONA)
Quilometragem total – 664 km
Trecho Especial (cronometrado) – 405 km

5ª etapa – Sexta-feira (11/1)
Tacna/Arequipa (2º TRECHO DA ETAPA MARATONA)
Quilometragem total – 714 km
Trecho especial (Cronometrado) – 517 km

Descanso – Sábado (12/1)
Arequipa

6ª etapa – Domingo (13/1)
Arequipa/San Juan de Marcona
Quilometragem total – 810 km
Trecho Especial (Cronometrado) – 309 km

7ª etapa – Segunda-feira (14/1)
San Juan de Marcona/San Juan de Marcona
Quilometragem total – 387 km
Trecho especial (cronometrado) – 323 km

8ª etapa – Terça-feira (15/1)
San Juan de Marcona/Pisco
Quilometragem total – 575 km
Trecho especial (cronometrado) – 360 km

9ª etapa – Quarta-feira (16/1)
Pisco/Pisco
Quilometragem total – 409 km
Trecho especial (cronometrado) – 313 km

10ª etapa – Quinta-feira (17/1)
Pisco/Lima
Quilometragem total – 359 km
Trecho especial (cronometrado) -112 km

TOTAL DA PROVA: 5.600 km
TOTAL DE ESPECIAIS: 3.096 km

Publicado em CAN-AM, CAN-AM DAKAR

Rally Dakar – Bruno Varela, filho do campeão dos UTVs, estreia na prova

Jovem piloto é o atual vencedor da categoria no Rally Merzouga e também competirá com o Can-Am Maverick X3 no principal desafio do calendário off-road
Fonte: Mundo Press

Campeão do Rally Merzouga 2018 a bordo do Cam-Am Maverick X3, o piloto Bruno Varela faz sua estreia no Rally Dakar Crédito: Varela Rally Team

Campeão do Rally Merzouga 2018 a bordo do Cam-Am Maverick X3, o piloto Bruno Varela faz sua estreia no Rally Dakar Crédito: Varela Rally Team

Atual campeão dos UTVs no Rally Merzouga, Bruno Varela está em contagem regressiva para encarar o desafio mais importante da carreira, novamente a bordo do veículo Can-Am Maverick X3. O piloto paulista de 22 anos irá estrear no Rally Dakar entre os dias 6 e 17 de janeiro de 2019, ao lado do navegador Maykel Justo. Além do alto nível técnico da prova, Bruno Varela tem pela frente adversários de peso na categoria para UTVs. Entre eles, seu pai, o piloto paulista Reinaldo Varela, e o navegador catarinense Gustavo Gugelmin – os atuais campeões da categoria no Rally Dakar e representantes da equipe oficial Monster Energy/Can-Am.

“O Dakar é o maior rally do mundo. É uma honra, a realização de um sonho para qualquer piloto, poder disputar essa prova. É minha primeira vez, então estou bastante ansioso para o início da competição”, disse Bruno Varela. A edição 2019 será realizada em um percurso 100% em solo peruano e reserva 5.603 quilômetros de desafios, sendo 2.961 de especiais (trechos cronometrados).

Apesar de muito jovem, o caçula da conhecida “Família da Poeira” possui bastante experiência na categoria para UTVs – chamada no Rally Dakar de SxS. A vitória no Rally Merzouga representou o primeiro título do Brasil na prova no Marrocos, considerada um “mini Dakar”. Bruno Varela ainda tem no currículo os títulos do Rally dos Sertões e do Campeonato Brasileiro de Rally Baja em 2017. Seu navegador, o paulista Maykel Justo, irá participar do Rally Dakar pela nona vez.

O fato de enfrentar o pai na categoria para UTVs não preocupa Bruno Varela – pelo contrário. “Se ele precisar de alguma coisa, alguma ajuda, estarei lá”, frisou. O piloto se sente bem preparado para a largada. “Fiz alguns treinos muito bons no Nordeste e nas dunas da África. Vai ser um rally duro, as dunas do Peru são difíceis de andar. Será preciso ter muita atenção, pois qualquer distração pode custar caro”, afirmou Bruno Varela.

O histórico de sucesso do Can-Am Maverick X3 em terrenos semelhantes, no entanto, traz mais confiança. “O UTV Can-Am Maverick X3 é perfeito para as dunas, é muito difícil de atolar e é praticamente inquebrável. Ele tem um histórico incrível, já que o meu pai é o atual campeão do Rally Dakar e eu venci o Rally Merzouga 2018 com o mesmo modelo. É o melhor UTV do mundo”, garantiu Bruno Varela, lembrando que o modelo foi a escolha dos seis primeiros colocados no Desafio Inca 2018, também disputado nas areias do Peru.

Além dos treinos com o UTV, Bruno afirma ter intensificado os treinos físicos, na academia, para “poder chegar lá e aguentar esses dez dias e quase seis mil quilômetros de corrida”. Para o jovem piloto, o objetivo inicial é completar a prova. “Quem termina, normalmente, já garante uma boa colocação”, concluiu.

Publicado em CAN-AM, CAN-AM DAKAR

Can-Am fatura principais títulos da categoria para UTVs em 2018

Além do Rally Dakar e do Rally Merzouga, conquistas do Rally dos Sertões e dos campeonatos brasileiros de Rally Cross Country e de Rally Baja se deram com pilotos a bordo dos UTVs Can-Am Maverick X3
Fonte: Mundo Press

A dupla Reinaldo Varela e Gustavo Gugelmin faturou o título do Rally Dakar 2018 entre os UTVs Crédito: Marcelo Machado/photosdakar.com

A dupla Reinaldo Varela e Gustavo Gugelmin faturou o título do Rally Dakar 2018 entre os UTVs Crédito: Marcelo Machado/photosdakar.com

A temporada 2018 será inesquecível para os pilotos brasileiros que disputam as principais competições off-road a bordo dos UTVs Can-Am Maverick X3. O Rally Dakar, o mais importante do calendário, e o Rally Merzouga, chamado de “mini Dakar” em razão do alto nível técnico, estão entre as conquistas na categoria específica para os UTVs, chamada de SXS nos eventos internacionais.

O Can-Am Maverick X3 também foi o modelo vencedor dos Campeonatos Brasileiros de Rally Baja e de Rally Cross Country, bem como do Rally dos Sertões e de diversos desafios off-road ao redor do planeta. Veja mais detalhes sobre as conquistas da Can-Am na temporada 2018:

Rally Dakar

O ano de 2018 começou com o grande feito da dupla formada pelo piloto paulista Reinaldo Varela e pelo navegador catarinense Gustavo Gugelmin no Rally Dakar. Em sua estreia no maior rali do mundo, o veículo Can-Am Maverick X3 foi o grande destaque entre os UTVs turbinados, que compuseram o grid da prova pela primeira vez.

Após cerca de oito mil quilômetros, 14 etapas e mais de 72 horas de disputas, a dupla brasileira venceu a categoria exclusiva para UTVs. O roteiro passou pelo Peru e pela Bolívia até chegar na Argentina, onde o título foi sacramentado no dia 20 de janeiro na cidade de Córdoba.

Vale lembrar que a dupla da equipe South Racing Can-Am/Divino Fogão venceu cinco etapas da prova, incluindo os dois dias de disputas em formato maratona, nos quais os competidores rodaram mais de mil quilômetros sem apoio mecânico externo.

Rally Merzouga

Em abril, outro integrante da conhecida “Família da Poeira”, o piloto paulista Bruno Varela, filho mais novo de Reinaldo, venceu o Rally Merzouga, no Marrocos. O responsável pela navegação foi Gustavo Gugelmin. A conquista representou o primeiro título do Brasil na prova, considerada um “mini Dakar”.

Foram 1159 quilômetros percorridos em cinco dias, sendo 908 km de especiais, nas areias do país norte-africano. Assim como no Rally Dakar, o Can-Am Maverick X3 passou ileso pela disputa, cujo percurso incluiu, além de enormes dunas, muitas pedras, lama e trechos de trial.

Rally dos Sertões

A principal prova do circuito off-road brasileiro, o Rally dos Sertões, também foi vencida por uma dupla a bordo do Can-Am Maverick X3. Em 25 de agosto, o piloto goiano Enrico Amarante e o navegador mineiro Bruno Rezende garantiram a taça dos UTVs, selando o sexto triunfo consecutivo da Can-Am na 26ª edição do mais tradicional rali do país.

O Can-Am Maverick X3 foi o grande destaque da categoria: todas as sete etapas, além do prólogo, foram vencidas pelo veículo. O modelo ainda foi o escolhido por nove pilotos do Top 10 da prova – incluindo os seis primeiros da tabela.

Brasileiro de Rally Cross Country

Vice-campeã dos UTVs no Rally dos Sertões, a dupla Deni Nascimento e Idali Bosse foi a grande vencedora do Campeonato Brasileiro de Rally Cross Country. A bordo do Can-Am Maverick X3, os catarinenses venceram as duas primeiras provas da competição, o Rally RN 1500 e o Rally Jalapão 500, e também somaram importantes pontos nas etapas seguintes.

O modelo da Can-Am obteve 100% de aproveitamento nas provas que fizeram parte do certame na temporada 2018. Além dos triunfos no Rally RN 1500, no Rally Jalapão 500 no Rally dos Sertões, também foi o UTV utilizado pela dupla Gabriel Varela e Eduardo Shiga na conquista do Rally Caminhos da Neve.

Brasileiro de Rally Baja

O Can-Am Maverick X3 foi o UTV vencedor de todas as provas da categoria no Brasileiro de Rally Baja. O campeão Rodrigo Varela venceu quatro disputas (Rally Poeira, Rally Cuesta Off-Road, Rally de Inverno e Rally Serra Azul) e faturou o título antecipadamente, garantindo o quarto troféu seguido para a “Família da Poeira” na competição nacional.

O vice-campeão Bruno Varela e os pilotos Cristiano Batista e Maurício Pena Rocha triunfaram no Rally Rota SC, no Rally Rota Sudeste e no Rally dos Amigos, respectivamente, completando a lista de destaques do Brasileiro de Rally Baja.

Can-Am pelo mundo

O domínio da Can-Am em competições off-road em 2018 se deu em escala global. Além dos já citados títulos do Rally Dakar e Rally Merzouga, provas tradicionais como o Desafio Inca e o Best In The Desert (BITD) foram vencidas por pilotos que aceleraram UTVs da Can-Am.

No Desafio Inca, os vencedores foram Casey Currie e Laurent Lichtleuchter, dos Estados Unidos, competidores oficiais da equipe South Racing Can-Am. O Can-Am Maverick X3 foi a escolha dos seis competidores mais velozes entre os sete veículos que completaram a prova. Já a disputa do BITD teve como vencedor, pelo segundo ano seguido, o norte-americano Phil Blurton.

Competições regionais disputadas na Rússia, na Alemanha e na Austrália também consagraram pilotos que se valeram de veículos da Can-Am para garantir o primeiro lugar no pódio. Nos EUA, o tradicional Grand National Cross Country Series (GNCC) foi palco de conquistas para a marca canadense.

O multicampeão Can-Am Maverick X3, em 2018, também foi o veículo utilizado pelo norte-americano Kyle Chaney na disputa do Heartland Challenge, prova de resistência de quatro horas, realizada de dia e de noite, que mescla corridas de mata, obstáculos de curta distância e endurocross.

Publicado em CAN-AM, Campeonato Brasileiro de Rally Baja, Rally Cross Country

Rally dos Amigos – Maurício Pena Rocha vence categoria para UTVs

Piloto é o mais rápido da prova, válida como etapa final do Brasileiro de Rally Baja; Também a bordo do Can-Am Maverick X3, irmãos Rodrigo e Bruno Varela, campeão e vice da temporada, respectivamente, comemoram dobradinha
Fonte: Mundo Press

O piloto Maurício Pena Rocha, a bordo do Can-Am Maverick X-3, em ação no Rally dos Amigos, última etapa do Brasileiro de Rally Baja, neste sábado (8), em Barra Bonita (SP) Crédito: Doni Castilho/DFotos/Mundo Press

O piloto Maurício Pena Rocha, a bordo do Can-Am Maverick X-3, em ação no Rally dos Amigos, última etapa do Brasileiro de Rally Baja, neste sábado (8), em Barra Bonita (SP) Crédito: Doni Castilho/DFotos/Mundo Press

O mineiro Maurício Pena Rocha venceu a categoria para UTVs do 21º Rally dos Amigos, realizado neste sábado (8) em Barra Bonita (SP). A prova, válida pela 15ª e última etapa do Campeonato Brasileiro de Rally Baja 2018, também foi marcada pela conquista do vice-campeonato da temporada pelo paulista Bruno Varela. Ele garantiu, pelo segundo ano seguido, uma dobradinha para a conhecida “Família da Poeira” no topo da tabela, já que seu irmão Rodrigo Varela já havia garantido o título brasileiro dos UTVs na etapa anterior. Todos os competidores aceleram o Can-Am Maverick X3, modelo pilotado pelos dez primeiros colocados do Rally dos Amigos, competição patrocinada pela Can-Am.

“Foi uma corrida muito rápida e bastante técnica, com diversos pulos e cotovelos. Comecei a especial (trecho cronometrado) em um ritmo mais devagar, cometi alguns erros, mas depois entrei na prova, me concentrei, e dei um gás total. Foi um resultado muito bom”, afirmou Pena Rocha, que compete pela equipe Quadrijet Racing.

Para o mineiro, o ótimo desempenho do Can-Am Maverick X3 foi fundamental para que ele pudesse conquistar a vitória, alcançada com apenas 28 segundos de diferença sobre o segundo colocado. “O UTV é perfeito, terminou a prova do jeito que começou. Eu não terei que fazer nada, apenas lavar e já está pronto para a próxima corrida. É uma coisa impressionante, um carro fenomenal. Estou muito satisfeito com a marca”, afirmou.

Campeão do Brasileiro de Rally Baja em 2017, Bruno Varela garantiu o vice em 2018, alternando as posições com seu irmão Rodrigo em relação à temporada passada, quando levou a melhor na disputa caseira.

“Conseguimos esta segunda dobradinha seguida e o tetracampeonato da ‘Família da Poeira’ entre os UTVs no Brasileiro de Rally Baja. Estou muito satisfeito”, disse Bruno, lembrando que desde 2015 o troféu é conquistado pelos irmãos Varela. Além de sua conquista em 2017 e de Rodrigo em 2015 e 2018, Gabriel Varela triunfou em 2016.

Bruno endossou os elogios ao Can-Am Maverick X3. “O veículo foi perfeito em todas as etapas do Brasileiro, não nos deixou na mão em nenhuma prova durante o ano”, frisou. O Rally dos Amigos teve percurso total de 179,49 quilômetros, sendo 134,14 deles de especiais. A disputa foi realizada em plantações de eucaliptos e contou com diversos obstáculos naturais.

Agora, Bruno Varela e seu pai, Reinaldo – que não disputou a prova deste sábado -, se preparam para a disputa do Rally Dakar. O desafio mais duro do calendário off-road será realizado entre os dias 6 e 17 de janeiro de 2019, no Peru. Reinaldo Varela fará novamente parceria com o navegador Gustavo Gugelmin a bordo do Can-Am Maverick X3, reeditando a dupla campeã entre os UTVs em 2018. Eles defenderão a equipe Monster Energy/Can-Am na competição.

Rally dos Amigos (15ª e última etapa do Brasileiro de Rally Baja 2018)
Classificação final – Categoria UTVs

1 – #105 – MAURÍCIO PENA ROCHA – 1:36:45 – Can-Am Maverick X3
2 – #102 – BRUNO VARELA – 1:37:14 – Can-Am Maverick X3
3 – #104 – ANDRÉ HORT – 1:37:43 – Can-Am Maverick X3
4 – #110 – EDU PIANO – 1:37:46 - Can-Am Maverick X3
5 – #129 – MARCOS COTTON/EDUARDO COSTA – 1:39:50 – Can-Am Maverick X3
6 – #108 – GABRIEL CESTARI – 1:40:07 – Can-Am Maverick X3 XRS
7 – #112 – LUCIANO JOSÉ DOS REIS – 1:40:38 – Can-Am Maverick X3
8 – #107 – RICARDO GALLI – 1:41:41 – Can-Am Maverick
9 – #124 – JOSÉ LUIZ CAMATA – 1:42:14 – Can-Am Maverick
10 – #115 – VALDIR DO AMARAL/JOSÉ DE ALMEIDA – 1:42:24 – Can-Am Maverick

Publicado em CAN-AM, Campeonato Brasileiro de Rally Baja

Final do Campeonato Mundial de Kart destaca tecnologia dos motores Rotax

Com vitória em casa do piloto paraibano Sérgio Crispim, categoria Kart Elétrico é sucesso no Rotax Max Challenge Grand Finals, em Conde (PB)
Fonte: Mundo Press

Rotax Max Challenge Grand Finals, a final do mundo de kart, destaca tecnologia dos motores Rotax Crédito: Divulgação / Rotax Max Challenge Grand Finals

Rotax Max Challenge Grand Finals, a final do mundo de kart, destaca tecnologia dos motores Rotax Crédito: Divulgação / Rotax Max Challenge Grand Finals

Além de disputas emocionantes e grid repleto de feras, o grande final do Campeonato Mundial de Kart, teve como destaque a categoria exclusiva para veículos com motores elétricos. A classe reuniu os karts elétricos Rotax THUNDeR, impulsionados pelos motores Rotax desenvolvidos pela BRP com a mais inovadora tecnologia do segmento. O evento teve fim no último sábado (dia 1º), após oito dias de programação no Circuito Internacional Paladino, em Conde, na Paraíba.

Para alegria da torcida local, o vencedor da categoria Kart Elétrico foi o paraibano Sérgio Crispim. Vale ressaltar que o Rotax Max Challenge Grand Finals conta com a chancela da Federação Internacional de Automobilismo (FIA).

“A disputa do Rotax Max Challenge Grand Finals foi a oportunidade perfeita para apresentar o Rotax THUNDeR, com a mais nova tecnologia, ao mundo do Kart”, disse Peter Oelsinger, vice-presidente de Sistemas de Propulsão e Finanças da Rotax.

Os motores elétricos são tendência para um futuro ecologicamente sustentável, e na Rotax a tecnologia já é uma realidade. Os karts elétricos Rotax THUNDeR chegam a 100 km/h em 3,5 segundos e têm velocidade máxima de 130 km/h. Os motores levam bateria de íons de lítio e têm capacidade de 2,5 kWh, performance de 20 kW e torque máximo de 46 Nm.

Referência em durabilidade e qualidade, a Rotax também está presente em outras linhas de produtos assinadas pela BRP. Os motores à explosão garantem a performance das motos aquáticas Sea-Doo, dos veículos on-roadoff-road da Can-Am e das motos de neve Ski-Doo e Lynx – também podendo ser aplicados ultraleves, motocicletas, embarcações e aeronaves de pouco peso.

Publicado em CAN-AM

Rally dos Amigos encerra a temporada do Brasileiro de Rally Baja

Prova será neste sábado (8), em Barra Bonita (SP); Campeão antecipado dos UTVs, piloto Rodrigo Varela é um dos destaques a bordo do Can-Am Maverick X3
Fonte: Mundo Press

Rodrigo Varela acelera o Can-Am Maverick X3. Crédito: Cláudio Rieser

Rodrigo Varela acelera o Can-Am Maverick X3. Crédito: Cláudio Rieser

O 21º Rally dos Amigos será disputado neste sábado (8) na Estância Turística de Barra Bonita (SP), cidade localizada a 288 quilômetros da capital paulista. O evento patrocinado pela Can-Am é válido pela 15ª etapa, a última do Campeonato Brasileiro de Rally Baja 2018, e costuma ser palco de grande confraternização entre os pilotos que disputam o certame nacional. A categoria para UTVs será atração à parte, com presença do campeão antecipado Rodrigo Varela a bordo do veículo Can-Am Maverick X3.

O irmão caçula de Rodrigo, Bruno Varela, que acelera para garantir o vice-campeonato, é outro destaque do grid, bem como os pilotos Deninho Casarini (equipe Casarini) e Maurício Pena Rocha (Quadrijet). Todos competem com o UTV Can-Am Maverick X3, o veículo que é o atual campeão da categoria no Rally Dakar, Rally Merzouga e Rally dos Sertões.

Mesmo com o título brasileiro nas mãos, Rodrigo Varela está motivado para o Rally dos Amigos. “Vou para Barra Bonita com a taça garantida e isso é muito bom, porque dá uma tranquilidade. Mas, de qualquer forma, vou acelerar para obter mais um bom resultado e, claro, tentar ajudar meu irmão Bruno, que está na vice-liderança. Quem sabe vem mais uma dobradinha dos irmãos aí”, completou o paulista, lembrando que em 2017 eles também ficaram nas duas primeiras posições, mas com Bruno à frente.

Rodrigo Varela ainda ressaltou o caráter festivo da prova, que faz jus ao nome da disputa. “Essa última etapa, o Rally dos Amigos, é sempre uma grande festa de final de campeonato. Há sempre uma grande confraternização entre os pilotos. É um evento diferente do calendário, uma prova diferenciada. Sempre tem um bom grid e vai todo mundo para dar risada e curtir. É a despedida do ano.”

Para Bruno Varela, além da busca pelo vice-campeonato, a prova serve como treino para o Rally Dakar. “Quero buscar essa segunda colocação para repetir o feito do ano passado, com os dois irmãos nas duas primeiras colocações do campeonato. Mas também estou encarando a prova como o teste final para a minha estreia no Dakar”, declarou. “Já estou me preparando para a disputa do Dakar há algum tempo. Agora, é esperar chegar e sentar o pé.”

O 21º Rally dos Amigos terá percurso total de 179,49 quilômetros, sendo 134,14 deles de especiais (trechos cronometrados). Os competidores passarão por plantações de eucaliptos, situadas em fazendas da região, bem como vários obstáculos naturais. O parque de apoio do evento será no Kartódromo Municipal Pedro Ometto Netto.

21º Rally dos Amigos – 15ª etapa do Brasileiro de Rally Baja 2018
Parque de Apoio: Kartódromo Municipal Pedro Ometto Netto, em Barra Bonita (SP)

Programação*

Sexta-feira (7/12)
Das 13h30 às 18h – Secretaria de Prova (no Pavilhão de Exposições Barra Bonita)
Das 14h às 18h30 – Vistorias técnicas
20h – Briefing

Sábado (8/12)
Das 7h às 7h30 – Secretaria de prova e vistorias técnicas
8h – Largada do primeiro piloto na especial (trecho cronometrado)
17h – Premiação.

* A programação é fornecida pela organização do evento e está sujeita a alterações.

Publicado em CAN-AM, Campeonato Brasileiro de Rally Baja