Alívio, alegria e dor no corpo na aventura de Clayton Conservani como piloto do Rally dos Sertões

Repórter completou os 4.887,59 km do rali são e salvo: “É uma ultramaratona sobre rodas, num lugar inóspito, em locais perigosos, no meio da imensidão, longe de tudo”
Fonte: Globo Esporte

Alívio, alegria e dor no corpo na aventura de Clayton Conservani como piloto do Rally dos Sertões

Foto: Divulgação / Fotop

Ao final do oitavo e último dia de Rally dos Sertões, o repórter Clayton Conservani não conseguia fechar a mão esquerda, sofria com uma contusão na altura das vértebras e sentia fortes dores nos ombros e na lombar. Com tudo isso, a sensação maior era de alívio e de alegria por ter vencido mais um desafio ao completar os 4.887,59 km de poeira e lama entre Campo Grande, no Mato Grosso do Sul, e Aquiraz, no Ceará. Estreando como piloto nesta 27ª edição do rali na categoria UTV, Clayton terminou a aventura sem maiores percalços em 30º lugar, ao lado do navegador Claudio Rieser.

- Foi uma cobertura muito difícil para mim, que estava pilotando, para o Claudio, meu navegador, e também para o Thalisson, o Rafael e o Julio. Os caras acompanharam tudo, praticamente não dormiram. Teve uma etapa de 955 quilômetros! – comenta Clayton.

A equipe de Clayton no Rally dos Sertões 2019: da esquerda para a direita, Julio Blander, Rafael Freitas, Thalisson Araújo, Clayton e Claudio Rieser — Foto: Divulgação
A equipe de Clayton no Rally dos Sertões 2019: da esquerda para a direita, Julio Blander, Rafael Freitas, Thalisson Araújo, Clayton e Claudio Rieser — Foto: Divulgação

- Eu estou muito cansado. É muito impacto o dia inteiro no corpo. Fora isso, a gente dormiu muito pouco nos últimos dias. Mas é um alívio estar aqui. A gente viu tanta coisa ruim acontecendo, carros capotados, pilotos machucados sendo resgatados, e a gente chegou inteiro. É uma experiência muito diferente, muito difícil, mas também muito gratificante. É uma ultramaratona sobre rodas, num lugar inóspito, em locais perigosos, no meio da imensidão e longe de tudo. E que revelou alguns lugares incríveis, como os Cânions do Viana, no Piauí – conta Clayton.

No caminho, além de conhecer lugares fantásticos, Clayton interagiu com os moradores de cada região. Como um grupo de crianças do Jalapão, todas loucas para conhecer seu veículo, o UTV, um misto de carro e quadriciclo com uma estrutura tubular que o faz ser conhecido como gaiola.

Entre uma etapa e outra, os pilotos conseguiam breves momentos para relaxar. Clayton mergulhou no Rio Tocantins e num fervedouro, uma espécie de nascente de rios subterrâneos que, sem espaço para vazão da água, forma uma piscina natural na qual se consegue ficar flutuando devido à pressão da água que jorra do lençol freático. No Jalapão há vários deles, e o repórter aproveitou para se banhar num dos mais bonitos: o do Alecrim, próximo à cidade de São Félix.

Depois do primeiro dia no Jalapão, um mergulho no Fervedouro do Alecrim, em São Félix do Tocantins — Foto: Divulgação
Depois do primeiro dia no Jalapão, um mergulho no Fervedouro do Alecrim, em São Félix do Tocantins — Foto: Divulgação

Abaixo, mais algumas imagens da aventura de Clayton como piloto do Rally dos Sertões:

O UTV de Clayton Conservani em meia à poeira no Rally dos Sertões 2019 — Foto: Divulgação / Fotop
O UTV de Clayton Conservani em meia à poeira no Rally dos Sertões 2019 — Foto: Divulgação / Fotop
O UTV de Clayton passou por paisagens lindas do interior do Brasil — Foto: Divulgação / Fotop
O UTV de Clayton passou por paisagens lindas do interior do Brasil — Foto: Divulgação / Fotop
A equipe da Globo na chegada de Clayton no Rally dos Sertões 2019 — Foto: Divulgação / Fotop
A equipe da Globo na chegada de Clayton no Rally dos Sertões 2019 — Foto: Divulgação / Fotop

Sobre canam

Blog oficial Can-Am Off-Road Brasil.
Esta entrada foi publicada em CAN-AM, Can-Am no Sertões, Rally Cross Country. Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Os comentários estão encerrados.