Dakar 2021 – Can-Am conquista Dakar pelo 4º ano consecutivo e sul-americanos mostram supremacia nos UTVs

- Competindo com o Can-Am Maverick X3, os chilenos Chaleco Lopez e JP Vinagre da South Racing Can-Am venceram metade das etapas;
- Brasil conquista vice-campeonato com Gustavo Gugelmin na dupla com o piloto norte-americano Austin Jones, da Monster Energy Can-Am;
- Vitória na última especial foi da dupla brasileira formada por Reinaldo Varela e Maykel Justo, que também fecharam Dakar 2021 no top-5 geral entre os UTVs.

Chilenos Francisco Chaleco Lopez e Juan Pablo Vinagre, da South Racing Can-Am, são os campões do Dakar 2021 nos UTVs.  Crédito: MCH Photography

Chilenos Francisco Chaleco Lopez e Juan Pablo Vinagre, da South Racing Can-Am, são os campões do Dakar 2021 nos UTVs. Crédito: MCH Photography

Depois de 12 etapas, o Rally Dakar 2021 chegou ao fim nesta sexta-feira, na Arábia Saudita, consagrando a Can-Am como a grande campeã na categoria UTV. Pelo quarto ano seguido, a marca foi a melhor na competição que é considerada o rali mais difícil do mundo em diversas categorias.

A América do Sul dominou o pódio mostrando a supremacia das suas duplas no esporte. Dos últimos quatro anos, os competidores sul-americanos conquistaram o título em três deles, correndo de Can-Am. Em 2018, os brasileiros Reinaldo Varela e Gustavo Gugelmin foram os campeões; em 2019 foram os chilenos Francisco “Chaleco” Lopez e Alvaro Quintanilla. Este ano de 2021 marca o quarto triunfo seguido da Can-Am e segundo de “Chaleco”, agora com o navegador Juan Pablo Vinagre.

O Brasil ainda registrou uma forte presença na categoria UTV do Dakar com resultados relevantes. O vice-campeonato ficou com a dupla do navegador Gustavo Gugelmin e o piloto Austin Jones, da equipe Monster Energy Can-Am, apenas 17min23seg atrás dos chilenos. Outro excelente resultado foi da dupla Reinado Varela e Maykel Justo, também da Monster Energy Can-Am, que venceu a etapa final e, com chegada em Jeddah, conquistou a 5ª posição na geral acumulada.

“Vencer o rali pelo quarto ano consecutivo nos dá muito orgulho, já que o Dakar é realmente a corrida mais difícil do mundo. Para dominar essa prova, o Maverick X3 precisou estar preparado e ter capacidade de superar cada cenário potencialmente difícil. Planejamos as condições mais adversas, analisamos como nossas máquinas reagem ao longo dos 12 dias e aplicamos nossos aprendizados em toda a nossa linha. No final do dia, tudo o que fazemos é para melhorar a experiência dos nossos pilotos”, diz Bernard Guy, Vice-Presidente Global em Estratégia de Produto da BRP.

O bicampeão do Dakar, Chaleco e o navegador Juan Pablo encerraram o Dakar com o total cronometrado em 53 horas, 41 minutos e 2 segundos, vencendo 6 das 12 etapas.

“É um sonho realizado, e a sensação de vencer a corrida mais difícil do mundo é absolutamente emocionante. Foi um grande trabalho de preparação focado em vencer o Dakar. Mas, nada disso seria possível se não estivéssemos com a máquina certa: o Can-Am Maverick X3. Esta ‘fera’ pode enfrentar qualquer coisa e você pode encarar qualquer desafio, seja na areia, nas pedras ou na lama. O Maverick X3 entrega uma mistura perfeita de velocidade, resistência e performance para vencer esse rali”, diz Chaleco.

O Can-Am Maverick X3 mostrou mais uma vez sua robustez durante o rali que leva pilotos navegadores e veículos ao limite. Em 2021, o Maverick X3 foi o vitorioso na classificação geral acumulada, considerando Veículos Leves e UTVs; esteve entre os 11 primeiros colocados na categoria, sendo que 24 das 29 duplas que finalizaram a prova competiram com um UTV Can-Am, percorrendo juntos mais de 183,5 mil Km em 12 dias de provas.

Brasil no top-5 do Dakar

A etapa decisiva do Dakar foi marcada pela experiência brasileira nos UTVs, na Arábia Saudita. Reinaldo Varela e o navegador Maykel Justo conquistaram a vitória na última especial do rali, com o Can-Am Maverick X3. A dupla fechou a prova em 2 horas, 44 minutos e 26 segundos, terminando o rali no top-5.

“Terminamos o Dakar com uma especial bem complicada, com uma quantidade de pedras fora do normal, grandes mesmo, foi ‘pauleira’. Parabéns aos vencedores e obrigado ao Maykel pela nossa excelente parceria. Agradeço também aos brasileiros e todos que torceram por nós”, diz Varela, campeão em 2018 no Dakar com a Can-Am.

Navegador de Varela nesta conquista de três anos atrás, Gugelmin também comemorou o resultado da prova de 2021, com o vice entre os UTVs.

“A etapa final foi eletrizante. Primeiro nós passamos o Chaleco e ele estava com o pneu furado. Então, tentamos apertar o ritmo um pouco, para tentar arriscar para ter chances, mas acabamos furando dois pneus. O Chaleco nos passou e, faltando 20 km para o final, ele teve outro furo no pneu. A diferença foi pequena, mas faz parte. Obrigado ao Jones por pilotar com maestria e agradeço também todos os brasileiros pela torcida”, diz Gugelmin que ainda destacou a beleza natural da Arábia Saudita.

Para Gugelmin, o charme do rali é que neste ano, nada estava definido, até a linha de chegada da final desta sexta-feira. “A segunda colocação me deixa feliz porque a concorrência neste ano foi absurda de grande. Tivemos de andar em altíssimo nível para disputar a ponta”, finalizou Gugelmin.

A etapa final do Dakar teve 447 km de percurso, sendo 200 km de especial cronometrada e mais 227 km de deslocamento. A competição começou em 3 de janeiro em Jeddah e foi encerrada nesta sexta-feira (15), na mesma cidade, após os competidores darem a volta na Arábia Saudita percorrendo mais de 7.600 km.

Confira a classificação preliminar na categoria UTV, do 12º dia de prova e o resultado geral acumulado do Dakar 2021:

12º dia – 15 de janeiro:

1º) Reinaldo Varela (Brasil)/Maykel Justo (Brasil), Can-Am Maverick XRS Turbo / 2h44min26seg

2º) Michal Goczal (Polônia)/ Szymon Gospodarczyk(Polônia), Can-Am Maverick XRS / + 0min42seg

3º) Kees Koolen (Holanda) /Jurgen Van Den Goorbergh (Holanda), Can-Am XRS Turbo / + 3min36seg

4º) Sergei Kariakin (Rússia)/Anton Vlasiuk (Rússia), Can-Am Maverick X3 Turbo / + 6min23seg

5º) Aron Domzala (Polônia)/Maciej Marton (Polônia), Can-Am Maverick X3 / + 6min37seg

6º) Austin Jones (EUA)/Gustavo Gugelmin (Brasil), Can-Am Maverick XRS Turbo / + 6min52seg

7º) José Antonio Hinojo Lopez (Espanha)/Diego Ortega Gil (Espanha), Can-Am Maverick X3 Turbo / + 8min46seg

8º) Francisco “Chaleco” Lopez (Chile)/Juan Pablo Vinagre (Chile), Can-Am Maverick XRS Turbo / + 9min15seg

9º) Gerard Farres (Espanha)/Armand Monleon (Espanha), Can-Am Maverick XRS Turbo / + 11min26seg

10) Marek Goczal (Polônia)/Rafal Marton (Polônia), Can-Am XRS Turbo/ + 13min26seg

Resultado Final Acumulado após 12 etapas:

1º) Francisco “Chaleco” Lopez (Chile)/Juan Pablo Vinagre (Chile), Can-Am Maverick XRS Turbo – 53h41min02seg

2º) Austin Jones (EUA)/Gustavo Gugelmin (Brasil), Can-Am Maverick XRS Turbo / +17min23seg

3º) Aron Domzala (Polônia)/Maciej Marton (Polônia), Can-Am Maverick X3 / + 51min53seg

4º) Michal Goczal (Polônia)/ Szymon Gospodarczyk(Polônia), Can-Am Maverick XRS / + 1h13min58seg

5º) Reinaldo Varela (Brasil)/Maykel Justo (Brasil), Can-Am Maverick XRS Turbo / + 1h27min05seg

6º) Kees Koolen (Holanda) /Jurgen Van Den Goorbergh (Holanda), Can-Am XRS Turbo / + 3h50min47seg

7º) José Antonio Hinojo Lopez (Espanha)/Diego Ortega Gil (Espanha), Can-Am Maverick X3 Turbo/ +3h58min24seg

8º) Marek Goczal (Polônia)/Rafal Marton (Polônia), Can-Am XRS Turbo/

+4h41min09seg

9º) Khalifa Al Attiyah (Qatar)/Paolo Ceci (Itália), Can-Am XRS Turbo / + 4h42min18seg

10º) Eric Abel (França)/Christian Manez (França), Can-Am Maverick X3 / +5h43min55seg

Publicado em CAN-AM DAKAR Com a tag , , , , |

Dakar 2021 – Can-Am na final entre os UTVs: Brasileiro entre as duplas com chances de título

- Vice-líderes Jones (EUA) e Gugelmin (Brasil) ainda sonham com título do Dakar em etapa final onde “tudo pode acontecer”;
- Chaleco Lopez e JP Vinagre venceram 6 das 11 etapas até agora e lideram com 18min24seg de vantagem sobre o segundo colocado;
- Realizada nesta quinta-feira na Arábia Saudita, 11ª etapa foi a segunda especial mais longa do rali com 464 km.

Chaleco e Juan Pablo Vinagre abrem vantagem para encarar a última etapa do Dakar.  Crédito: MCH Photography

Chaleco e Juan Pablo Vinagre abrem vantagem para encarar a última etapa do Dakar. Crédito: MCH Photography

O último dia de especial no Dakar 2021 promete ser de arrepiar já que, nesta quinta-feira, a dupla com o maior número de vitórias nas etapas do Dakar nos UTVs, Chaleco Lopez e JP Vinagre, voltou a triunfar com seu Can-Am na Arábia Saudita. Os chilenos acumulam 6 vitórias em 11 etapas, mas a dupla vice-líder segue na cola, ainda com grandes chances de conquistar o título.

Chaleco que compete junto com o compatriota Juan Pablo Vinagre na equipe South Racing Can-Am, terminou a especial em 5 horas, 8 minutos e 3 segundos. Os espanhóis Gerard Farres e Armand Monleon, da equipe Monster Energy Can-Am ficaram com o 2º lugar do ranking da etapa.

“Com a vitória de hoje, ampliamos a diferença para o segundo colocado. Tivemos um pneu furado, mas conseguimos agir rápido e partir para cima das dunas, e tirar o tempo perdido”, comentou Chaleco completando que amanhã, na última etapa, pretende encerrar a competição em grande estilo. Se conseguir, será a segunda vez que leva o título para o Chile na categoria UTV.

O brasileiro Gustavo Gugelmin, campeão do Dakar em 2018 como navegador, ainda tem grandes chances de trazer para casa o seu segundo título. Na 2ª colocação da classificação da geral acumulada, Gugelmin e o piloto Austin Jones da equipe Monster Energy Can-Am finalizaram a etapa desta quinta-feira na 4ª posição.

“Hoje tivemos um pneu furado, enfrentamos 100 km de dunas difíceis mesmo, dunas quebradas, e tudo mais. As pedras estão grandes demais, se acertá-las é capaz de até arrancar a barra traseira dos UTVs”, diz Gugelmin, que está 18min 46seg atrás do líder após 11 especiais cronometradas.

A dupla brasileira formada por Reinaldo Varela e Maykel Justo também da Monster Energy Can-Am segue no top-5 do ranking geral, após ficar, novamente, no 5º lugar na etapa de hoje entre os UTVs. Com 1h36min20seg de diferença para os líderes, eles buscam fechar a competição entre os primeiros, mantendo a evolução que estão mostrando nos últimos dias.

“Hoje foi uma etapa digna de Dakar, cansativa e cheia de pedras, longa. Estamos bem cansados. Acho que foi a segunda etapa mais difícil, atrás da 7ª, que foi muito difícil”, descreveu Justo.

Varela ainda brincou com o navegador: “Segunda etapa mais difícil? Que nada, se fosse piloto sim poderia dizer que está cansado”, disse brincando se referindo ainda ao momento em que, no acampamento, os pilotos e navegadores podem usufruir de sessão de massagem muscular.

A 11ª etapa do Dakar começou em Al-Ula e os competidores percorreram 511 km até Yanbu, sendo 464 km de trecho cronometrado e apenas 46 km de deslocamento. A etapa final do rali sairá de Yanbu com destino até Jeddah, cidade que recebeu a abertura e também será palco da decisão da prova. O último dia prevê 452 km de trajeto total, com 225 km de especial.

Confira a classificação preliminar na categoria UTV, do 11º dia de prova e o resultado geral acumulado do Dakar 2021:

11º dia – 14 de janeiro:

1º) Francisco ”Chaleco” Lopez (Chile)/Juan Pablo Vinagre (Chile), Can-Am Maverick XRS Turbo – 05h08min03seg

2º) Gerard Farres (Espanha)/Armand Monleon (Espanha), Can-Am Maverick XRS Turbo/ + 05min24seg

3º) Khalifa Al Attiyah (Qatar)/Paolo Ceci (Itália), Can-Am XRS Turbo / + 5min28seg

4º) Austin Jones (EUA)/Gustavo Gugelmin (Brasil), Can-Am Maverick XRS Turbo / +08min33seg

5º) Reinaldo Varela (Brasil)/Maykel Justo (Brasil), Can-Am Maverick XRS Turbo / + 11min33seg

6º) Aron Domzala (Polônia)/Maciej Marton (Polônia), Can-Am Maverick X3 / + 11min50seg

7º) Wayne Matlock (EUA)/ Sam Hayes (EUA), Polaris RZR Turbo / + 14min40seg

8º) Kees Koolen (Holanda) /Jurgen Van Den Goorbergh (Holanda), Can-Am XRS Turbo – +14min50seg

9º) Michal Goczal (Polônia)/ Szymon Gospodarczyk(Polônia), Can-Am Maverick XRS / + 16min32seg

10 º) Fernando Alvarez (Espanha)/Antonio Gimeno Garcia (Espanha), Can-Am XRS Turbo/ + 20min44seg

Resultado Acumulado após 11 etapas:

1º) Francisco “Chaleco” Lopez (Chile)/Juan Pablo Vinagre (Chile), Can-Am Maverick XRS Turbo – 50h47min21seg

2º) Austin Jones (EUA)/Gustavo Gugelmin (Brasil), Can-Am Maverick XRS Turbo / +18min46seg

3º) Aron Domzala (Polônia)/Maciej Marton (Polônia), Can-Am Maverick X3 / + 54min31seg

4º) Michal Goczal (Polônia)/ Szymon Gospodarczyk(Polônia), Can-Am Maverick XRS / + 1h21min31seg

5º) Reinaldo Varela (Brasil)/Maykel Justo (Brasil), Can-Am Maverick XRS Turbo / + 1h36min20seg

6º) Kees Koolen (Holanda) /Jurgen Van Den Goorbergh (Holanda), Can-Am XRS Turbo / + 3h56min26seg

7º) José Antonio Hinojo Lopez (Espanha)/Diego Ortega Gil (Espanha), Can-Am Maverick X3 Turbo / + 3h58min53seg

8º) Khalifa Al Attiyah (Qatar)/Paolo Ceci (Itália), Can-Am XRS Turbo / + 4h32min47seg

9º) Marek Goczal (Polônia)/Rafal Marton (Polônia), Can-Am XRS Turbo / + 4h36min58seg

10º) Eric Abel (França)/Christian Manez (França), Can-Am Maverick X3/ + 5h36min45seg

Publicado em CAN-AM DAKAR Com a tag , , , , |

Dakar 2021 – Entre os UTVs, definição fica ainda mais acirrada entre as duplas Can-Am

- Jones e o brasileiro Gugelmin apertam o ritmo e colam nos líderes faltando duas etapas para o fim;
- Chaleco Lopez e JP Vinagre perdem tempo na etapa mas seguem na liderança dos UTVs;
- Russos vencem 10ª etapa do Dakar, e competidores se preparam para o penúltimo dia de rali nesta quinta-feira.

Na reta final, o principal rally do planeta teve sua 10ª etapa marcada por muito equilíbrio nesta quarta-feira, na Arábia Saudita. Na categoria dos UTVs, o campeão do Rally Dakar 2021 segue indefinido, com os cinco primeiros colocados no dia separados por menos de dois minutos.

Navegador brasileiro Gustavo Gugelmin e o piloto norte-americano Austin Jones seguem firmes pela disputa pelo título.  Crédito: MCH Photography

Navegador brasileiro Gustavo Gugelmin e o piloto norte-americano Austin Jones seguem firmes pela disputa pelo título. Crédito: MCH Photography

A especial desta quarta-feira teve mais de 3 horas e meia de duração e a vitória foi dos russos Sergei Kariakin e Anton Vlasiuk, seguidos pelo norte-americano Austin Jones e o brasileiro Gustavo Gugelmin, que seguem firmes na briga pelo título com a equipe Monster Energy Can-Am.

Além de sustentar a 2ª colocação na etapa, Jones e Gugelmin conseguiram descontar 2 minutos e 2 segundos do tempo dos líderes na geral da categoria, os chilenos Francisco “Chaleco” Lopez e Juan Pablo Vinagre, da South Racing Can-Am, que ficaram com a 6ª colocação no dia. A diferença entre os dois melhores UTVs no acumulado é de apenas 10min13seg – bem pequena se considerar que a soma total até aqui já ultrapassa as 45 horas de competição.

“Hoje também não foi um dia fácil. Muitas pedras, navegação minuciosa. Passamos pela indefinição para saber se tínhamos vencido. A dupla vencedora de hoje poderá ter algum acréscimo de tempo, estamos esperando pelas atualizações ainda. Recuperamos dois minutos, e amanhã será um dia longo, complicado. Hoje passamos ilesos, mas fomos atrapalhados pela poeira, mas mesmo assim foi um dia bom em termos de resultado. Sempre passando alguns sustos, mas deu tudo certo. Esse Dakar está sendo de especiais bem duras e navegação bem difícil”, disse Gugelmin.

Reinaldo Varela e Maykel Justo, que aceleram outro Maverick X3 pela Monster Energy Can-Am, fecharam a antepenúltima etapa do Dakar na 7ª colocação, apenas 3min48seg atrás dos líderes. Com esse resultado a dupla se mantém no top-5 no tempo acumulado de prova.

“Foi uma especial normal de Dakar, com bastante pedras, mas largamos um pouco atrás. Um caminhão nos passou e pegamos muita poeira também de carros e UTVs que não deixavam a gente passar. Fomos bem e muito cuidadosos. Em trechos que não enxergávamos muito nós não arriscamos nada para não pegarmos grandes pedras. Vamos deixar o UTV em ordem neste final. Não temos nada para fazer nele, apenas trocar os pneus”, diz Varela, campeão do Dakar em 2018 também com Can-Am.

Seu navegador, Maykel Justo, explica o desafio deste penúltimo dia de competição. “Amanhã teremos a segunda especial mais longa do rally, mesmo com alguns trechos cortados por conta da chuva. Caso contrário, seriam mais de 500 km só de especial”, diz Maykel.

Outra dupla da equipe Monster Energy Can-Am que segue na briga pelas primeiras posições é a dos poloneses Aron Domzala e Maciej Marton. Eles estão em 3º na classificação geral, com 42min41seg de diferença para o primeiro colocado, ainda com chances de título.

A penúltima etapa do Dakar será disputada nesta quinta-feira, com os competidores saindo de Al-Ula até Yanbu. A final do rali será nesta sexta-feira, com chegada em Jeddah.

Confira a classificação preliminar na categoria UTV, do 10º dia de prova e o resultado geral acumulado do Dakar 2021:

10º dia – 13 de janeiro:

1º) Sergei Kariakin (Rússia)/Anton Vlasiuk (Rússia), Can-Am Maverick X3 Turbo / 3h31min17seg

2º) Austin Jones (EUA)/Gustavo Gugelmin (Brasil), Can-Am Maverick XRS Turbo / + 0min29seg

3º) Michal Goczal (Polônia)/ Szymon Gospodarczyk(Polônia), Can-Am Maverick XRS / + 1min10seg

4º) Khalifa Al Attiyah (Qatar)/Paolo Ceci (Itália), Can-Am XRS Turbo / + 1min41seg

5º) Gerard Farres (Espanha)/Armand Monleon (Espanha), Can-Am Maverick XRS Turbo / + 1min56seg

6º) Francisco “Chaleco” Lopez (Chile)/Juan Pablo Vinagre (Chile), Can-Am Maverick XRS Turbo / + 2min41seg

7º) Reinaldo Varela (Brasil)/Maykel Justo (Brasil), Can-Am Maverick XRS Turbo / + 3min48seg

8º) Marek Goczal (Polônia)/Rafal Marton (Polônia), Can-Am XRS Turbo / + 6min30seg

9º) Aron Domzala (Polônia)/Maciej Marton (Polônia), Can-Am Maverick X3 / + 7min19seg

10) Jeremie Warnia (França)/ S. Griener (Reino Unido) CST / Polaris – + 10min36seg

Resultado Acumulado após 10 etapas:

1º) Francisco “Chaleco” Lopez (Chile)/Juan Pablo Vinagre (Chile), Can-Am Maverick XRS Turbo – 45h39min18seg

2º) Austin Jones (EUA)/Gustavo Gugelmin (Brasil), Can-Am Maverick XRS Turbo / +10min13seg

3º) Aron Domzala (Polônia)/Maciej Marton (Polônia), Can-Am Maverick X3 / + 142min41seg

4º) Michal Goczal (Polônia)/ Szymon Gospodarczyk(Polônia), Can-Am Maverick XRS / + 1h01min59seg

5º) Reinaldo Varela (Brasil)/Maykel Justo (Brasil), Can-Am Maverick XRS Turbo / + 1h24min47seg

6º) José Antonio Hinojo Lopez (Espanha)/Diego Ortega Gil (Espanha), Can-Am Maverick X3 Turbo / + 2h32min42seg

7º) Kees Koolen (Holanda) /Jurgen Van Den Goorbergh (Holanda), Can-Am XRS Turbo – +3h41min36seg

8º) Saleh Alsaif (Arábia Saudita)/Oriol Vidal Montijano (Espanha), Can-Am Maverick X3T3PRO Turbo / +4h00min02seg

9º) Marek Goczal (Polônia)/Rafal Marton (Polônia), Can-Am XRS Turbo / + 4h10min09seg

10º) Khalifa Al Attiyah (Qatar)/Paolo Ceci (Itália), Can-Am XRS Turbo / + 4h27min19seg

Publicado em CAN-AM DAKAR Com a tag , , , , |

Dakar 2021 – Chile, Brasil, EUA e Polônia: Can-Am na briga entre os UTVs

- Restando três dias para o final do Dakar 2021, disputa pelo título segue indefinida, com chilenos voltando à liderança após a vitória de hoje;
- Reinaldo Varela e Maykel Justo entram para o top-5 no geral acumulado em dia de “grandes desafios”;
- Dupla Austin Jones e brasileiro Gustavo Gugelmin tem dia difícil, mas continuam em busca do título com a segunda posição no acumulado;
- Etapa foi disputada ao lado de belas paisagens próximas ao Mar Vermelho, na Arábia Saudita.

Francisco Chaleco Lopez e Juan Pablo Vinagre reassumiram a liderança da geral após vitória nesta 3ª feira. Crédito: MCH Photography

Francisco Chaleco Lopez e Juan Pablo Vinagre reassumiram a liderança da geral após vitória nesta 3ª feira. Crédito: MCH Photography

O Rally Dakar, principal competição off-road do planeta, está entrando na reta final. A decisão entre os UTVs deve mesmo ficar para os últimos momentos já que as duplas favoritas seguem na disputa com seus Can-Am Maverick X3. Neste ano, as maiores chances de título estão com representantes do Chile, EUA, Brasil ou Polônia já que todas as duplas do top-5.

Na nona etapa da competição, realizada nesta terça-feira, os chilenos Francisco “Chaleco” Lopez e Juan Pablo Vinagre da equipe South Racing Can-Am levaram a melhor e voltaram a vencer e reassumiram a liderança da geral dos UTVs, na Arábia Saudita.

“Foi uma etapa com muitas pedras e muita navegação. Ganhamos a etapa, mas temos mais três dias de competição. Ainda não tem nada definido e o importante é que estamos fazendo um grande trabalho. Estou muito contente e gostaria de agradecer o apoio de todos os chilenos”, diz Chaleco, que completou a especial após 5 horas, 31 minutos e 41 segundos.

A etapa foi realizada em formato de laço na região de Neom, começando e terminando na mesma cidade. Foram 465 km de especial cronometrada e mais 114 km de deslocamento. O destaque do roteiro ficou por conta das bonitas paisagens próximas ao Mar Vermelho, região histórica do Oriente Médio.

Atual vice-líder da classificação acumulada, o navegador Gustavo Gugelmin e o piloto norte-americano Austin Jones, da equipe Monster Energy Can-Am, tiveram uma especial com muitos desafios, e lutaram bastante para segurar a ponta da geral. Mas, os imprevistos deixaram a dupla 12min25seg atrás dos dos chilenos.

“Foram dois pneus furados ao mesmo tempo no km 90, e tinha mais 350 de pedra, mas muita pedra, mesmo. Essa especial foi a mais difícil do Dakar até agora. Tivemos que ir muito devagar, não tinha mais pneu, depois que consertamos os primeiros, o terceiro também furou, então foram três no total”, diz Gugelmin, que terminou a etapa fechando o top-10.

Os poloneses Aron Domzala e Maciej Marton, companheiros de equipe dos vice-líderes encerraram a terça-feira com a 7ª posição na etapa, e continuam na disputa pelo título com o 3º lugar na geral, 38min03 seg atrás dos chilenos.

A dupla Reinaldo Varela e Maykel Justo, também da equipe Monster Energy Can-Am subiram para a 5ª colocação na classificação geral acumulada entre os UTVs. Os brasileiros tiveram um dia competitivo, e finalizaram a etapa como os melhores da equipe com pouco mais de 25min de diferença para os líderes.

“A trilha tinha as maiores pedras que vimos até agora. Foi um problema realmente grande. Havia momentos, em que para conseguir passar pelo trecho, a gente não sabia o que fazer. Certamente, o índice de quebras nesta terça-feira foi muito alto. Muitos competidores também tiveram muitos pneus furados. As extremidades dessas pedras funcionam como lâminas enquanto os pneus giram em alta velocidade em cima delas. Dependendo de como você passa, não tem escapatória”, diz Varela, que foi campeão do Dakar em 2018.

A 10ª etapa do Dakar será disputada nesta quarta-feira com 342 km de especiais e mais 241 km de deslocamento, totalizando 583 km de percurso.

Confira a classificação preliminar na categoria UTV, do 9º dia de prova e o resultado geral acumulado do Dakar 2021:

9º dia – 12 de janeiro:

1º) Francisco “Chaleco” Lopez (Chile)/Juan Pablo Vinagre (Chile), Can-Am Maverick XRS Turbo – 5h31min41seg

2º) Khalifa Al Attiyah (Qatar)/Paolo Ceci (Itália), Can-Am XRS Turbo / + 11min34seg

3º) Marek Goczal (Polônia)/Rafal Marton (Polônia), Can-Am XRS Turbo / + 21min46seg

4º) José Antonio Hinojo Lopez (Espanha)/Diego Ortega Gil (Espanha), Can-Am Maverick X3 Turbo / + 21min55seg

5º) Reinaldo Varela (Brasil)/Maykel Justo (Brasil), Can-Am Maverick XRS Turbo / +25min36seg

6º) Wayne Matlock (EUA)/ Sam Hayes (EUA), Polaris RZR Turbo / + 27min07seg

7º) Aron Domzala (Polônia)/Maciej Marton (Polônia), Can-Am Maverick X3 / + 27min23seg

8º) Michal Goczal (Polônia)/ Szymon Gospodarczyk(Polônia), Can-Am Maverick XRS / + 30min45seg

9º) Kees Koolen (Holanda) /Jurgen Van Den Goorbergh (Holanda), Can-Am XRS Turbo / +31min27seg

10) Austin Jones (EUA)/Gustavo Gugelmin (Brasil), Can-Am Maverick XRS Turbo / +33min16seg

Resultado Acumulado após 9 etapas:

1º) Francisco “Chaleco” Lopez (Chile)/Juan Pablo Vinagre (Chile), Can-Am Maverick XRS Turbo – 42h05min20seg

2º) Austin Jones (EUA)/Gustavo Gugelmin (Brasil), Can-Am Maverick XRS Turbo /    +12min25seg

3º) Aron Domzala (Polônia)/Maciej Marton (Polônia), Can-Am Maverick X3 / +38min03seg

4º) Michal Goczal (Polônia)/ Szymon Gospodarczyk(Polônia), Can-Am Maverick XRS / + 1h03min30seg

5º) Reinaldo Varela (Brasil)/Maykel Justo (Brasil), Can-Am Maverick XRS Turbo / +1h23min40seg

6º) José Antonio Hinojo Lopez (Espanha)/Diego Ortega Gil (Espanha), Can-Am Maverick X3 Turbo / + 2h23min58seg

7º) Kees Koolen (Holanda) /Jurgen Van Den Goorbergh (Holanda), Can-Am XRS Turbo – +3h24min14seg

8º) Saleh Alsaif (Arábia Saudita)/Oriol Vidal Montijano (Espanha), Can-Am Maverick X3T3PRO Turbo / +3h50min14seg

9º) Marek Goczal (Polônia)/Rafal Marton (Polônia), Can-Am XRS Turbo / + 4h06min20seg

10º) Khalifa Al Attiyah (Qatar)/Paolo Ceci (Itália), Can-Am XRS Turbo / + 4h28min19seg

Publicado em CAN-AM DAKAR Com a tag , , , , |

Dakar 2021 – Brasileiro assume liderança do Dakar nos UTVs após 8ª etapa

Navegador da equipe Monster Energy Can-Am Gustavo Gugelmin está na liderança ao lado do piloto norte-americano Austin Jones;
Francisco Chaleco Lopez e J. Pablo Vinagre conquistam sua quarta vitória em oito especiais disputadas;
Dupla brasileira Varela e Justo lidera parte da prova e recupera tempo acumulado geral.

Navegador brasileiro Gustavo Gugelmin e o piloto norte-americano Austin Jones assumiram a liderança da geral, nesta 2ª feira.  Crédito: MCH Photography

Navegador brasileiro Gustavo Gugelmin e o piloto norte-americano Austin Jones assumiram a liderança da geral, nesta 2ª feira. Crédito: MCH Photography

Nesta segunda-feira, o navegador brasileiro Gustavo Gugelmin e o piloto norte-americano Austin Jones, da Monster Energy Can-Am tomaram a liderança do Dakar 2021, na Arábia Saudita, na categoria dos UTVs. A oitava etapa da competição é a parte final da maratona, que conta com dois dias de prova, sendo que as próprias duplas precisam dar conta da manutenção mecânica dos veículos. Faltando apenas 4 etapas, o Dakar passa por reviravoltas de posições entre os UTVs.

Jones e Gugelmin já tinham sentido o gosto da liderança na primeira especial, mas, agora, faltando apenas mais 4 etapas, conseguem liderar na classificação acumulada da prova.

“Foram dois dias cruciais dessa etapa maratona, sem manutenção, justamente quando os Can-Am Maverick X3 passaram por mais de 1 mil quilômetros de pedra, areia e dunas; tipos de pisos que exigem demais do veículo. Deu tudo certo, tivemos apenas um pneu furado ontem, e não precisamos fazer nenhum reparo nestes dois dias, apenas a manutenção básica. Conseguimos sair dessa etapa na liderança. Hoje foi um dia de muita navegação, em que quase não levantei a cabeça para olhar para frente. Era esquerda e direita o tempo todo, contornando várias pedras. Nós imprimimos um ritmo bom, mas ainda faltam 4 dias. Rali é assim, a cada curva é uma coisa inesperada que acontece. Vamos continuar mantendo o foco e acelerando. A briga pelo título está entre os Can-Ams e vamos para cima”, diz Gugelmin.

Outra dupla de favoritos, os chilenos Francisco Chaleco Lopez e Juan Pablo Vinagre, da South Racing Can-Am seguem firmes na disputa depois da vitória dessa 8ª etapa. Eles ganharam quatro das oito especiais até aqui e estão 19min51seg atrás dos líderes na segunda posição acumulada.

“A etapa maratona foi bem longa, mas tivemos um dia muito bom, ganhamos novamente e descontamos um pouco do tempo. Os líderes impuseram um ritmo bem forte, então temos de correr para descontar esse tempo. Antes, a nossa diferença era de 36 minutos atrás do líder e agora diminuímos para 19 minutos. São mais quatro dias de prova e o UTV está impecável, então estou muito contente”, diz Chaleco.

Os brasileiros Reinaldo Varela e Maykel Justo, companheiros dos atuais líderes na Monster Energy Can-Am, mais uma vez lideraram grande parte da especial desta segunda-feira e terminaram o dia na 3ª colocação. Sem problemas na maratona, a dupla dos brasileiros está ainda na disputa pelo título com o 6º lugar no tempo acumulado do Dakar.

“Não tivemos nenhum problema na maratona. Não tivemos pneus furados, nada deu errado, viemos bem, tomamos bastante cuidado porque era uma etapa muito longa. Agora vamos fazer uma revisão básica no Maverick X3 e tudo estará pronto para acelerarmos amanhã de novo”, diz Varela, campeão do Dakar em 2018 com a Can-Am ao lado de Gugelmin.

A etapa maratona foi um dos grandes desafios dos competidores neste Dakar, tanto pelo terreno e pela impossibilidade de ter a ajuda da equipe de mecânicos, quanto pelo frio que os competidores enfrentaram no acampamento exclusivo para pilotos e navegadores. O conforto dos motorhomes foi substituído por beliches em uma espécie de alojamento dos participantes dentro da bolha exclusiva do Dakar.

“Nessa etapa maratona, nós que fizemos a manutenção nos próprios carros, os mecânicos ficaram longe daqui. Os participantes se distribuíram em diversos quartos de um único tamanho, onde só os pilotos e navegadores tiveram acesso, impossibilitando qualquer tipo de ajuda”, diz Varela.

Esses imprevistos na etapa sem auxílio tiraram a dupla de poloneses Aron Domzala e Maciej Marton da liderança da geral do Dakar na categoria dos UTVs depois da prova desta segunda-feira. Eles caíram para a terceira posição e estão 30min31seg atrás dos seus companheiros de equipe da Monster Energy Can-Am.

A oitava etapa do Dakar foi composta por 709 km de trecho total entre Sakaka e Neom, sendo 375 km de especial cronometrada. Os participantes voltam a acelerar nesta terça-feira ainda na região de Neom, em formato de laço, com 465 km de especial e mais 114 km de deslocamento. O Dakar começou no último dia 3 e será disputado até 15 de janeiro, quando chegará ao final em Jeddah.

Confira a classificação preliminar na categoria UTV, do 8º dia de prova e o resultado geral acumulado do Dakar 2021:

8º dia – 11 de janeiro:

1º) Francisco “Chaleco” Lopez (Chile)/Juan Pablo Vinagre (Chile), Can-Am Maverick XRS Turbo – 3h37min45seg

2º) Sergei Kariakin (Rússia)/Anton Vlasiuk (Rússia), Can-Am Maverick X3 Turbo / +0min52seg

3º) Reinaldo Varela (Brasil)/Maykel Justo (Brasil), Can-Am Maverick XRS Turbo – +1min31seg

4º) Saleh Alsaif (Arábia Saudita)/Oriol Vidal Montijano (Espanha), Can-Am Maverick X3T3PRO Turbo - +1min40seg

5º) Austin Jones (EUA)/Gustavo Gugelmin (Brasil), Can-Am Maverick XRS Turbo – +2min30seg

6º) Kees Koolen (Holanda) /Jurgen Van Den Goorbergh (Holanda), Can-Am XRS Turbo – + 14min53seg

7º) Michal Goczal (Polônia)/ Szymon Gospodarczyk(Polônia), Can-Am Maverick XRS– +24min59seg

8º) Fernando Alvarez (Espanha)/Antonio Gimeno García (Espanha), Can-Am XRS Turbo / +25min21seg

9º) Wayne Matlock (EUA)/ Sam Hayes (EUA), Polaris RZR Turbo – +26min54seg

10) Jeremie Warnia (França)/ S. Griener (Reino Unido) CST / Polaris – + 28min44seg

Resultado Acumulado após 8 etapas:

1º) Austin Jones (EUA)/Gustavo Gugelmin (Brasil), Can-Am Maverick XRS Turbo – 36h12min48seg

2º) Francisco “Chaleco” Lopez (Chile)/Juan Pablo Vinagre (Chile), Can-Am Maverick XRS Turbo / +20min51seg

3º) Aron Domzala (Polônia)/Maciej Marton (Polônia), Can-Am Maverick X3 / +31min31seg

4º) Sergei Kariakin (Rússia)/Anton Vlasiuk (Rússia), Can-Am Maverick X3 Turbo /+48min24seg

5º) Michal Goczal (Polônia)/ Szymon Gospodarczyk(Polônia), Can-Am Maverick XRS / +53min36seg

6º) Reinaldo Varela (Brasil)/Maykel Justo (Brasil), Can-Am Maverick XRS Turbo /+1h18mi55seg

7º) Saleh Alsaif (Arábia Saudita)/Oriol Vidal Montijano (Espanha), Can-Am Maverick X3T3PRO Turbo / +1h22min00seg

8º) José Antonio Hinojo Lopez (Espanha)/Diego Ortega Gil (Espanha), Can-Am Maverick X3 Turbo / + 2h22min54seg

9º) Kees Koolen (Holanda) /Jurgen Van Den Goorbergh (Holanda), Can-Am XRS Turbo – +3h13min38seg

10º) Lourenço Rosa (Portugal)/Joaquim Dias (Portugal), Can-Am XRS – + 3h38min29seg

Publicado em CAN-AM DAKAR Com a tag , , , , |

Dakar 2021 – Equipe Monster Energy Can-Am segue na liderança do Dakar após etapa maratona

Equipe Monster Energy Can-Am segue na liderança do Dakar após etapa maratona.

. Aron Domzala (Polônia)/Maciej Marton seguem liderando a geral nos UTVs, mesmo depois da vitória de Chaleco Lopez e Juan Pablo Vinagre, neste domingo;
. Reinaldo Varela e Maykel Justo ficaram com o 3º lugar, após liderarem boa parte da especial;
. Dupla Austin Jones e Gustavo Gugelmin passaram por momentos de tensão durante resgate de motociclista, mas seguraram a vice-liderança na geral.

Chaleco Lopez e Juan Pablo Vinagre da South Racing Can-Am na 7ª etapa do Dakar 2021. Crédito: MCH Photography

Chaleco Lopez e Juan Pablo Vinagre da South Racing Can-Am na 7ª etapa do Dakar 2021. Crédito: MCH Photography

Maior rali do mundo, com mais de 7.600 km de percurso para os competidores, o Dakar teve a primeira parte da etapa maratona realizada neste domingo, na Arábia Saudita. Diferentemente dos outros dias, os competidores não contarão com o auxílio das equipes na parte mecânica para as revisões dos veículos antes da etapa seguinte, o que traz um desafio ainda maior aos mais de 300 participantes de quase 50 nacionalidades diferentes.

Entre os UTVs, categoria na qual a maior parte do grid compete com o Maverick X3 da Can-Am, os chilenos Francisco “Chaleco Lopez” e Juan Pablo Vinagre da equipe South Racing Can-Am voltaram a vencer uma especial do Dakar 2021. Até agora, a dupla venceu três das sete etapas disputadas, mas segue 25 minutos e 21 minutos atrás dos poloneses Aron Domzala e Maciej Marton, da equipe Monster Energy Can-Am, que lideram a classificação geral da categoria na Arábia Saudita.

Com a vitória deste domingo, Chaleco e JP Vinagre sustentam a 3ª colocação no tempo acumulado, mas tiveram de lutar para retomar a concentração na prova depois de socorrerem o motociclista Pierre Cherpin. A dupla permaneceu ao lado do participante francês até que o helicóptero chegasse. “Foi difícil recuperar a concentração depois do resgate, fomos ultrapassados por vários caminhões e carros. Mas foi tudo bem, ajustaram o nosso tempo na prova e agora torcemos para que o motociclista se recupere”, comentou Chaleco.

Os vice-líderes da geral, Austin Jones e o brasileiro Gustavo Gugelmin, da equipe Monster Energy Can-Am, tiveram um pneu furado e passaram por situação semelhante aos chilenos. A dupla que neste domingo ficou com a 7ª posição da especial, participou do resgate do motociclista Olivier Susset, que sofreu um acidente grave. A dupla está 9min31seg atrás dos líderes, e seguem fortes na disputa pela liderança da competição.

“Essa etapa maratona continua no mesmo tipo de terreno dos últimos dias, com dunas, estradas de areia e bastante pedra. Os 6 primeiros UTVs estiveram sempre juntos, mas nós tivemos um pneu furado e ficamos um pouco para trás. Foi uma etapa dura de navegação, tivemos que cuidar muito dos pneus e paramos para socorrer o motociclista em um acidente grave. A moto estava pegando fogo, foi um momento crítico. Ficamos muito abalados ao retornar para a prova. Entrar no carro, colocar o capacete e seguir focado novamente foi difícil”, contou Gugelmin sobre os momentos tensos do resgate.

A dupla brasileira da Monster Energy Can-Am, Reinaldo Varela e Maykel Justo, liderou praticamente toda a etapa do domingo e puderam respirar mais aliviados com apenas 2 minutos atrás da dupla Saleh Alsaif e Oriol Vidal Montijano, que ficaram com a 2ª posição na classificação do dia. Na geral, a dupla brasileira manteve a 6ª posição na geral e diminuiu a desvantagem, com 1h21min54seg atrás dos líderes.

“Fizemos uma especial muito boa, não precisamos descer do UTV nem uma vez. Mas, faltando pouco mais de 1 km para acabar a prova, o pneu dianteiro esquerdo furou. Trocamos e terminamos. Nosso Maverick X3 Can-Am está perfeito, não precisaremos fazer nada para seguir amanhã. Só vou passar um ‘pretinho’ no pneu, limpar o vidro e pronto. Nosso UTV está inteiro”, diz Varela, que foi campeão do Dakar em 2018 ao lado de Gugelmin.

A etapa deste domingo no Dakar contou com 284 km de deslocamento, totalizando 737 km entre as cidades de Ha´il e Sakaka. Sem o apoio técnico das equipes nesta noite, os participantes precisam preparar seus veículos para acelerarem nesta segunda-feira, na 8ª etapa, que terá 709 km no total, sendo 375 km de trechos cronometrados. A final da competição será no próximo dia 15 de janeiro em Jeddah.

Confira a classificação preliminar na categoria UTV, do 7º dia de prova e o resultado geral acumulado do Dakar 2021:

7º dia – 10 de janeiro

1º) Francisco “Chaleco” Lopez (Chile)/Juan Pablo Vinagre (Chile), Can-Am Maverick XRS Turbo – 5h15min34seg

2º) Saleh Alsaif (Arábia Saudita)/Oriol Vidal Montijano (Espanha), Can-Am Maverick X3T3PRO Turbo – 5h20min46seg

3º) Reinaldo Varela (Brasil)/Maykel Justo (Brasil), Can-Am Maverick XRS Turbo – 5h22min47seg

4º) Michal Goczal (Polônia)/ Szymon Gospodarczyk(Polônia), Can-Am Maverick XRS– 5h23min21seg

5º) Aron Domzala (Polônia)/Maciej Marton (Polônia), Can-Am Maverick X3 –– 5h26min04seg

6º) José Antonio Hinojo Lopez (Espanha)/Diego Ortega Gil (Espanha), Can-Am Maverick X3 Turbo – 5h30min58seg

7º) Austin Jones (EUA)/Gustavo Gugelmin (Brasil), Can-Am Maverick XRS Turbo – 5h34min55seg

8º) Lourenço Rosa (Portugal) /Joaquim Dias (Portugal), Can-Am Maverick X3– 5h36min 29seg

9º) Marek Goczal (Polônia)/Rafal Marton (Polônia), Can-Am XRS Turbo – 5h37min35seg

10º) Khalifa Al Attiyah (Qatar)/Paolo Ceci (Itália), Can-Am XRS Turbo – 5h39min06seg

Resultado Acumulado após 7 etapas:

1º) Aron Domzala (Polônia)/Maciej Marton (Polônia), Can-Am Maverick X3 – 32h30min33seg

2º) Austin Jones (EUA)/Gustavo Gugelmin (Brasil), Can-Am Maverick XRS Turbo – 32h40min04seg

3º) Francisco “Chaleco” Lopez (Chile)/Juan Pablo Vinagre (Chile), Can-Am Maverick XRS Turbo – 32h55min54seg

4º) Michal Goczal (Polônia)/ Szymon Gospodarczyk(Polônia), Can-Am Maverick XRS – 33h04min40seg

5º) Sergei Kariakin (Rússia)/Anton Vlasiuk (Rússia), Can-Am Maverick X3 Turbo – 33h22min35seg

6º) Reinaldo Varela (Brasil)/Maykel Justo (Brasil), Can-Am Maverick XRS Turbo – 33h52min27seg

7º) Saleh Alsaif (Arábia Saudita)/Oriol Vidal Montijano (Espanha), Can-Am Maverick X3T3PRO Turbo – 33h55min23seg

8º) José Antonio Hinojo Lopez (Espanha)/Diego Ortega Gil (Espanha), Can-Am Maverick X3 Turbo – 34h14min50seg

9º) Khalifa Al Attiyah (Qatar)/Paolo Ceci (Itália), Can-Am XRS Turbo – 35h03min29seg

10º) Lourenço Rosa (Portugal) /Joaquim Dias (Portugal), Can-Am Maverick X3– 35h30min24seg

Publicado em CAN-AM DAKAR Com a tag , , , , , |

Dakar 2021 – Fome, frio, sede e perrengues: os bastidores do Dakar 2021

Sem banho, sede e até fome. Perrengues não assustam quem tem a aventura off-road correndo nas veias.

Ao centro, Reinaldo Varela: mania de fazer o check list várias vezes antes da especial.  Crédito: MCH Photography

Ao centro, Reinaldo Varela: mania de fazer o check list várias vezes antes da especial. Crédito: MCH Photography

O mundo das competições automobilísticas até pode ter um cenário de glamour. Mas, certamente não é o mesmo ambiente visto durante os mais de 15 dias da maior competição off-road do planeta, o Rally Dakar. Na edição deste ano, a situação das equipes ficou um pouco mais desafiadora. Além do frio, alimentação restrita e perrengues para algumas necessidades básicas do dia a dia, a inclusão dos protocolos de saúde para a prevenção da contaminação do Covid-19 também isolou as equipes.

E são justamente essas grandes adversidades do mundo da aventura que atraem os competidores a cada ano, tornando a competição um cenário perfeito para situações curiosas em que os participantes precisam se virar com o que tem. Mesmo com uma estrutura gigantesca, mais de 300 veículos e competidores de diversas partes do mundo, um simples banho frio pode colocar um dos principais destaques do rally “em apuros”, como explica o navegador brasileiro Gustavo Gugelmin, que faz dupla com Austin Jones pela Monster Energy Can-Am.

“Perrengue aqui é constante, passando frio e fome. Mas, vou confessar que difícil mesmo é lidar com o banho e o com vaso sanitário do motorhome”, brinca Gugelmin, lembrando que, apesar do Dakar ser a mais importante competição do mundo off-road, ela acontece, justamente, em áreas completamente isoladas.

Todos participantes, no entanto, estão se sentindo seguros no Dakar 2021, quando o tema é a pandemia do coronavírus, como explica Reinaldo Varela, campeão da prova em 2018 e integrante da equipe Monster Energy Can-Am. ”O mundo está lidando melhor com a pandemia e tem a perspectiva da chegada próxima da vacina. Psicologicamente, acho que isso ajudou bastante a realização da prova neste ano”, continua Varela.

O piloto brasileiro é pura garra, e não se abate com as dificuldades e falta de conforto. “Aqui a coisa é preta mesmo, sem facilidades. Mesmo assim, para mim nem precisava de dia de descanso não”, explica Varela, se referindo ao sábado de folga das provas, que retornam apenas no domingo, quando os participantes partem para a etapa maratona.

Navegador sem banho

O ambiente livre do coronavírus é fundamental no Dakar 2021. Mas alguns “luxos” podem ficar de fora do acampamento, como o banho quente – o que faz falta para muitos competidores, como confessa Gustavo Gugelmin, que integra a dupla que assumiu a vice-liderança na geral após seis etapas.

“Eu não tomo banho gelado, não tem jeito. Eu quase morri de frio uma vez, tentando tomar banho, mas o chuveiro não funcionou. Fiquei sem banho. Eu estava tomando banho a cada dois dias por causa disso”, diz Gugelmin, brincando que, pelo menos até agora, Jones não reclamou do “navegador Cascão”.

Banho também é luxo para as equipes de fotógrafos que cobrem a competição. As belas imagens clicadas pelas lentes de profissionais de diversos países, encobrem perrengues ainda piores. Nas redes sociais, teve profissional confessando que de 6 dias, foram apenas 2 banhos. A maioria deles, pernoita nos acampamentos nas barracas individuais, montadas no chão, diretamente na areia mesmo ou até mesmo no “trecho” como chamam os locais por onde os competidores passam.

José Mario Dias, especializado em automobilismo, com 9 participações no Dakar, faz parte da equipe oficial da competição e tem um dos dias mais longos. “Temos de fazer imagens de todos os competidores, de todas as categorias, todos os dias. Nosso dia é sempre longo. Mas é um prêmio poder viver tudo isso aqui”, conta Zé Mário, que já teve de seguir acompanhando as provas, em 2016, de carona, depois que o carro da equipe capotou.

Sem a planilha antecipada dos trechos das provas, Zé Mario ainda destaca a necessidade de tomadas de decisões muito rápidas para definir pontos das fotos, como um dos desafios do Dakar. Mas, sempre tem espaço para a torcida. “Quando vemos um UTV apontando, já ficamos tensos, esperando pelos brasileiros. Assim já sabemos se estão indo bem na especial do dia”, comenta o fotógrafo que tem mais de 15 anos de experiência em clicar provas automobilísticas.

Não basta rodar por quilômetros no habitáculo de um UTV. É preciso ser bom também nos pequenos espaços, que podem até ser considerados luxuosos nos acampamentos. Para os afortunados que podem dormir nos motorhomes, o banheiro pode ser um grande obstáculo a ser vencido para as necessidades básicas.

“Eu não sabia, mas o assento do vaso sanitário é giratório, dando mais espaço para as minhas pernas. Depois que eu postei essa dificuldade na minha rede social, recebi uma mensagem explicando que girava. Eu não tinha espaço, tive de fazer tudo de lado. Pensa na manobra”, diverte-se Gugelmin.

Alimentação na maior competição off-road do mundo

O que não pode ser levado na brincadeira, no entanto, é o cuidado com a alimentação e hidratação, que é feita no mesmo acampamento. E é no refeitório que acontece a reunião e confraternização de competidores de quase 50 países.

“É de um simbolismo muito bonito o fato de essas bandeiras se cruzarem nas trilhas do Dakar, no melhor espírito de esportividade e até fraternidade – porque faz parte da ética do Dakar ajudar um competidor em sérios apuros. E isso não é raro”, explica o navegador Maykel Justo, que forma dupla em 2021 com Varela. “Mais do que isso, todos convivemos em paz e clima de colaboração nos acampamentos e refeitórios, até mesmo pela questão da covid”, completa o navegador da equipe Monster Energy Can-Am.

Se no acampamento tudo parece funcionar bem, o desafio maior para os competidores é durante os longos dias da competição – nesta primeira semana, uma das etapas teve mais de 800 quilômetros de deslocamento total. Pode parecer até difícil de acreditar, mas, depois de passar por dunas, areia voando e pedra do Deserto da Arábia Saudita, é comum os participantes ficarem horas sem comer nada.

“Não tem jeito, muitas vezes no Dakar a gente passa fome e sede. Fiquei desidratado um dia, senti que estava ficando lento na navegação, aí comecei a me hidratar, tomei água de madrugada, a cada 5 km tomava água no rali e já melhorei”, revela Gugelmin.

Frio no deserto árabe e preparação de pilotos

O frio no deserto saudita também não está dando trégua. Nos últimos dias, os pilotos percorreram as centenas de quilômetros com jaquetas grossas para se protegerem do frio, mesmo com o sol a pino. A temperatura chega em 0ºC no meio da noite mesmo dentro do motorhome e não costuma passar de 12ºC durante o dia de competição. “É realmente muito frio. O Dakar, que costuma ser sempre quente, na Arábia Saudita faz frio. Uma vantagem é que neste ano temos o para-brisa no Can-Am”, diz Gugelmin, que mesmo com toda a proteção do para-brisa e capacete já visitou a tenda de atendimento médico por conta dos arranhões nos olhos causados pelos grãos de areia.

Campeão do Dakar em 2018 ao lado de Reinaldo Varela, Gugelmin comanda a navegação de um piloto norte-americano e acredita que existe espaço para mais brasileiros entrarem nesse tipo de competição.

“Fazer navegação para um americano, em uma equipe de ponta, é um marco para o Brasil. Estou representando todos os navegadores do País. Navegar falando em inglês é outro desafio. Nós temos potencial de colocar mais navegadores no Dakar e me sinto muito feliz de estar dando tudo certo. Quero incentivar mais gente para competir nesse nível de reconhecimento internacional que eu alcancei, e assim termos mais brasileiros nessa carreira no automobilismo”, diz Gugelmin, que também já foi campeão do Sertões nos carros em 2015.

Aliás, sintonia entre piloto e navegador é mais do que obrigatória. Mas a equipe de mecânicos também precisa sambar para atender aos desejos dos pilotos. “Eles têm manias também, e nós atendemos, claro. O Reinaldo praticamente faz checklist de tudo que quer no UTV, em cada etapa. Pede para regular o banco, volante, quer saber onde estão as ferramentas, além de testar as várias GoPro que estão espalhadas pelo seu Can-Am”, se diverte Ednei Galvão, conhecido como Pig, mecânico brasileiro da equipe Monster Energy Can-Am.

Com o dia de descanso neste sábado, 9 de janeiro, os UTVs passam por revisão geral, ou seja, são totalmente desmontados e cada sistema é checado já que o retorno das especiais acontece no domingo, 10 de janeiro, é a maratona, que não permite manutenção dos carros após o final do dia. O trecho total do domingo é de 737 km, sendo 471 km de especial cronometrada.

Publicado em CAN-AM DAKAR Com a tag , , , , |

Brasileiros se superam e ganham posições nos UTVs, no 6º dia do Dakar

· Poloneses Aron Domzala e Maciej Marton fecharam o dia em 4º lugar e assumiram a liderança do rali
· Brasileiro Gustavo Gugelmin é o vice-líder ao lado do piloto americano Austin Jones
· Reinaldo Varela e Maykel Justo tiveram um dos melhores dias até agora e recuperam posições
· Competidores terão sábado de descanso e retornam para a etapa maratona no domingo.

Khalifa Al Attyiah e Paolo Ceci da South Racing Can-Am na 6ª etapa do Dakar 2021. Crédito: MCH Photography

Khalifa Al Attyiah e Paolo Ceci da South Racing Can-Am na 6ª etapa do Dakar 2021. Crédito: MCH Photography

O 6º dia de prova do Dakar 2021 foi marcado pela grande reviravolta na classificação geral na categoria dos UTVs. A equipe Monster Energy Can-Am assumiu as duas primeiras posições na geral, e brasileiros fizeram um ótimo dia. O navegador Gugelmin comemorou a vice-liderança na geral, com o seu parceiro Austin Jones, e a dupla Reinaldo Varela e Maykel Justo subiram duas posições na geral e ficaram no top-10 do dia.

Aron Domzala e Maciej Marton, da Polônia, companheiros de equipe dos brasileiros na Monster Energy Can-Am, tomaram a liderança na geral, depois de ficarem com o 4º lugar na etapa desta sexta-feira, 8 de janeiro.

A equipe ainda comemorou a subida da dupla Austin Jones e o brasileiro Gustavo Gugelmin para a 2ª posição na geral. Apenas 40 segundos separam as duas duplas, sendo que os poloneses somam 27h04min29seg em trechos cronometrados durante seis dias de competição.

“Nós fizemos um grande trabalho hoje. Subimos para 2ª colocação, 40 segundos dos poloneses que também são do nosso time. Não tivemos furos de pneus, tudo funcionou bem e agora vamos descansar e nos preparar para domingo”, disse Gugelgim.

Os brasileiros Reinaldo Varela e Maykel Justo, que tinham enfrentado problemas nos dias anteriores, renovaram o fôlego na competição. Sem pneus furados, a dupla recuperou duas posições na geral depois de encerrarem a especial na 6ª colocação, voltando ao top-10.

Quem não teve um bom dia, foi a dupla Francisco ‘Chaleco’ Lopez e Juan Pablo Vinagre, da South Racing Can-Am, que estava liderando a classificação geral dos últimos dias.

Com problemas mecânicos após um acidente nas dunas, Chaleco amargou a 20ª posição da classificação do dia, caindo para o terceiro lugar na geral. “Esse acidente nas dunas nos prejudicou muito, faltando 100 quilômetros para a linha de chegada. Por sorte um caminhão nos ajudou a sair daquele lugar para trocarmos as peças quebradas. Fizemos um ótimo trabalho e vamos com tudo na segunda etapa para recuperar o pódio”, descreveu Chaleco. Nada está perdido pois repetindo o ocorrido de dois anos atrás quando foi o campeão da prova, Chaleco perdeu a liderança da mesma forma: problemas mecânicos nas dunas, enquanto liderava a competição.

Acostumado às dunas, o piloto catariano Khalifa Al Attiyah em dupla com o italiano Paolo Ceci, após 4h20min46seg, venceram a especial de hoje. Foram 688 km no trecho total, sendo 341 km de deslocamento e 347 km especial cronometrada.

Os quase 300 participantes do Dakar farão uma pausa para descanso e, também, para as equipes fazerem uma manutenção antes de encararem a etapa maratona, quando a competição retornar no domingo, 10 de janeiro. Sem auxílio das equipes após a largada, essa etapa promete ser uma das mais desafiadoras. O Dakar começou no último dia 3 e será disputado até dia 15 de janeiro, com a chegada em Jeddah.

Confira a classificação preliminar na categoria UTV, do 6º dia de prova e o resultado geral acumulado do Dakar 2021:

6º dia – 08 de janeiro

1º) Khalifa Al Attiyah (Qatar)/Paolo Ceci (Itália), Can-Am XRS Turbo – 4h20min46seg

2º) Gerard Farres (Espanha)/Armand Monleon (Espanha), Can-Am Maverick XRS Turbo – 4h24min57seg

3º) Austin Jones (EUA)/Gustavo Gugelmin (Brasil), Can-Am Maverick XRS Turbo – 4h26min12seg

4º) Aron Domzala (Polônia)/Maciej Marton (Polônia), Can-Am Maverick X3 –– 4h28min09seg

5º) Michal Goczal (Polônia)/ Szymon Gospodarczyk(Polônia), Can-Am Maverick XRS– 4h28min26seg

6º) Reinaldo Varela (Brasil)/Maykel Justo (Brasil), Can-Am Maverick XRS Turbo – 4h28min49seg

7º) Sergei Kariakin (Rússia)/Anton Vlasiuk (Rússia), Can-Am Maverick X3 Turbo – 4h 38min31seg

8º) Lourenço Rosa (Portugal) /Joaquim Dias (Portugal), Can-Am Maverick X3– 04h46min 13seg

9º) Kees Koolen (Holanda) /Jurgen Van Den Goorbergh (Holanda), Can-Am XRS Turbo – 4h46min21seg

10º) Marek Goczal (Polônia)/Rafal Marton (Polônia), Can-Am XRS Turbo – 4h48min 41seg

Resultado Acumulado após 6 etapas:

1º) Aron Domzala (Polônia)/Maciej Marton (Polônia), Can-Am Maverick X3 – 27h04min29seg

2º) Austin Jones (EUA)/Gustavo Gugelmin (Brasil), Can-Am Maverick XRS Turbo – 27h05min09seg

3º) Francisco “Chaleco” Lopez (Chile)/Juan Pablo Vinagre (Chile), Can-Am Maverick XRS Turbo – 27h40min20seg

4º) Sergei Kariakin (Rússia)/Anton Vlasiuk (Rússia), Can-Am Maverick X3 Turbo – 27h41min06seg

5º) Michal Goczal (Polônia)/ Szymon Gospodarczyk(Polônia), Can-Am Maverick XRS – 27h41min19seg

6º) Reinaldo Varela (Brasil)/Maykel Justo (Brasil), Can-Am Maverick XRS Turbo – 28h29min40seg

7º) Saleh Alsaif (Arábia Saudita)/Oriol Vidal Montijano (Espanha), Can-Am Maverick X3T3PRO Turbo – 28h34min37seg

8º) José Antonio Hinojo Lopez (Espanha)/Diego Ortega Gil (Espanha), Can-Am Maverick X3 Turbo – 28h43min52seg

9º) Khalifa Al Attiyah (Qatar)/Paolo Ceci (Itália), Can-Am XRS Turbo – 29h24min23seg

10º) Lourenço Rosa (Portugal) /Joaquim Dias (Portugal), Can-Am Maverick X3– 29h53min55seg

Publicado em CAN-AM DAKAR Com a tag , , , , , |

Dakar 2021 – Navegação difícil faz 5º dia ser o mais desafiador do Dakar 2021

·        Com grande recuperação no final, Chaleco Lopez e Juan Pablo Vinagre faturam mais uma especial e ampliam liderança no acumulado.
·        Poloneses Aron Domzala e Maciej Marton seguem na vice-liderança com a equipe Monster Energy Can-Am
·        Brasil segue em terceiro com a dupla Austin Jones (EUA) e Gustavo Gugelmin

Em dia de 20 quilômetros de pedras pontiagudas, duplas dos UTV sofrem com pneus furados e navegação difícil.  Crédito: MCH Photography

Em dia de 20 quilômetros de pedras pontiagudas, duplas dos UTV sofrem com pneus furados e navegação difícil. Crédito: MCH Photography

Se o Dakar 2021 pudesse ser resumido em um único dia até agora, certamente a 5ª etapa disputada hoje na Arábia Saudita explicaria o porquê deste rali ser considerado o mais difícil e desafiador do mundo. Em dia de navegação complicada, com muita areia, pedras e dunas por mais de 100 quilômetros, os competidores partiram de Riad e chegaram em Burayda totalizando um percurso de 625 km, sendo 419 km de trecho cronometrado. A competição está próxima de finalizar a primeira metade, e neste sábado o Dakar fará uma “pausa” antes de sua parte final que segue até dia 15.

Em mais um dia desafiador marcado pelo domínio da Can-Am entre os UTVs, o destaque ficou por conta da impressionante recuperação de Francisco Chaleco Lopez que mesmo enfrentando problemas com a navegação logo no início, conquistou o 1º lugar na especial do dia.

Com isso, ele e o navegador Juan Pablo Vinagre ampliaram a vantagem na liderança do rali. A dupla chilena completou a especial em 5 horas, 47 minutos e 32 segundos, apenas 1min52seg à frente de Khalifa Al Attiyah, do Catar, e do italiano Paolo Ceci, que fecharam o dia na 2ª posição.

“Estou muito contente após vencer a etapa nesse dia bastante frio e desafiador no deserto. Agora vamos nos preparar para a sexta-feira que é o último grande dia antes da pausa. Vamos deixar o nosso UTV nas condições perfeitas. Agradeço a todos os chilenos pela torcida”, diz Chaleco, que compete pela equipe South Racing Can-Am.

A vice-liderança está nas mãos dos poloneses Arom Domzala e Maciej Marton, da equipe Monster Energy Can-Am, que encerram a especial desta quinta-feira com pouco mais de 6 minutos atrás dos chilenos, marcando um ritmo de crescimento na competição.

Entre os brasileiros, o navegador Gustavo Gugelmin fechou o dia na 3ª colocação ao lado do piloto americano Austin Jones na categoria UTV. A dupla segue em desempenho constante, segurando a 3ª colocação geral acumulada, a 12min28seg dos líderes e fechando a dobradinha da equipe Monster Energy Can-Am no top 3.

“O dia foi difícil, com dois abastecimentos, totalizando 450 quilômetros de prova. Foi um dos dias mais longos do Dakar até aqui. Logo no começo, a navegação estava muito complicada com 20 km de pedra, muito difícil de achar o caminho. A gente contou até 15 carros perdidos, foi uma loucura mesmo, mas acabei me achando rápido. Devemos ter perdido uns 3 minutos, mas depois vieram as dunas, alguns trechos rápidos e enfrentamos bastante frio. Fomos os 3º no dia, e, mesmo com os chilenos abrindo um pouco de vantagem, a gente segue indo muito bem”, diz Gugelmin.

A dupla formada por Reinaldo Varela e Maykel Justo voltou a sofrer com furos nos pneus nesta etapa. Eles chegaram a liderar boa parte da especial, mas o problema acabou tirando a boa vantagem dos brasileiros, que fecharam o dia em 12º lugar, 52min27s atrás dos líderes. No acumulado, Varela e Justo estão na 8ª colocação.

“O problema é o piso rochoso, cheio de pedras e bordas afiadas. E aí é uma loteria: você tem ou não sorte de passar por lá incólume. Tivemos pneus rasgados na lateral, o que indica que foram provavelmente as bordas das rochas que os cortaram. Estávamos na liderança e não é 100% certo que iríamos vencer, mas certamente é uma pena sermos tirados da disputa por algo assim, totalmente fortuito”, diz Varela, que foi campeão do Dakar em 2018 com a Can-Am.

Maykel Justo resume bem o espírito do maior rali do mundo, que reúne mais de 300 veículos e competidores de quase 50 países. “A única maneira de não rasgar os pneus é ir devagar. Mas no Dakar a palavra devagar não existe, especialmente nessa fase da competição”, diz o navegador da Monster Energy Can-Am.

O bom rendimento dos pilotos com o Can-Am Maverick X3 no dia considerado o mais difícil até agora reflete todo o empenho em desenvolvimento de engenharia da marca. “A Can-Am é a marca mais tradicional e a preferida da maioria dos pilotos de UTV, em qualquer parte do mundo e não é diferente no Dakar. A explicação está na tecnologia e robustez dos produtos de alto desempenho, que se traduzem nos títulos acumulados. Aqui no Brasil, já são 8 anos consecutivos de vitórias no Sertões, incluindo a última edição, em 2020, e no Dakar estamos caminhando com tudo para conquistar o 4ª título seguido”, destaca Henrique Rosa, Gerente de Marketing BRP para América Latina.

A 6ª etapa do Dakar será disputada nesta sexta-feira em um percurso total de 618 km, sendo 448 km de especial e 170 km de deslocamento. Após os competidores cumprirem este novo desafio, eles terão um dia de descanso, no sábado, em Ha’il, voltando a acelerar na manhã de domingo com a etapa maratona. O rally começou em 3 de janeiro e a final será no próximo dia 15, em Jeddah.

Confira a classificação preliminar na categoria UTV, do 5º dia de prova e o resultado geral acumulado do Dakar 2021:

Quinto dia – 07 de janeiro

1º) Francisco “Chaleco” Lopez (Chile)/Juan Pablo Vinagre (Chile), Can-Am Maverick XRSTurbo – 5h47min32seg

2º) Khalifa Al Attiyah (Qatar)/Paolo Ceci (Itália), Can-Am XRS Turbo – 5h49min24seg

3º) Austin Jones (EUA)/Gustavo Gugelmin (Brasil), Can-Am Maverick XRS Turbo – 5h51min49seg

4º) Aron Domzala (Polônia)/Maciej Marton (Polônia), Can-Am Maverick X3 –– 5h54min05seg

5º) Michal Goczal (Polônia)/ Szymon Gospodarczyk(Polônia), Can-Am Maverick XRS– 5h55min38seg

6º) Saleh Alsaif (Arábia Saudita)/Oriol Vidal Montijano (Espanha), Can-Am Maverick X3T3PRO Turbo – 5h56min33seg

7º) Sergei Kariakin (Rússia)/Anton Vlasiuk (Rússia), Can-Am Maverick X3 Turbo – 6h 01min59seg

8º) José Antonio Hinojo Lopez (Espanha)/Diego Ortega Gil Espanha), Can-Am Maverick X3 Turbo – 6h16min39seg

9º) Fernando Alvarez (Espanha)/Antonio Gimeno García (Espanha), Can-Am XRS Turbo – 6h28min05seg

10º) Lourenço Rosa (Portugal) /Joaquim Dias (Portugal), Can-Am Maverick X3– 06h29min 56seg

Resultado Acumulado após 5 etapas:

1º) Francisco “Chaleco” Lopez (Chile)/Juan Pablo Vinagre (Chile), Can-Am Maverick XRS Turbo – 22h26min29seg

2º) Aron Domzala (Polônia)/Maciej Marton (Polônia), Can-Am Maverick X3 – 22h36min20seg

3º) Austin Jones (EUA)/Gustavo Gugelmin (Brasil), Can-Am Maverick XRS Turbo – 22h38min57seg

4º) Saleh Alsaif (Arábia Saudita)/Oriol Vidal Montijano (Espanha), Can-Am Maverick X3T3PRO Turbo – 23h02min08seg

5º) Sergei Kariakin (Rússia)/Anton Vlasiuk (Rússia), Can-Am Maverick X3 Turbo – 23h02min35seg

6º) Michal Goczal (Polônia)/ Szymon Gospodarczyk(Polônia), Can-Am Maverick XRS – 23h12min53seg

7º) José Antonio Hinojo Lopez (Espanha)/Diego Ortega Gil (Espanha), Can-Am Maverick X3 Turbo – 23h25min14seg

8º) Reinaldo Varela (Brasil)/Maykel Justo (Brasil), Can-Am Maverick XRS Turbo – 24h00min51seg

9º) Santiago Navarro (Espanha)/Marc Sola Terradellas (Espanha), Can-Am Maverick X3 Turbo – 24h12min54seg

10º) Khalifa Al Attiyah (Qatar)/Paolo Ceci (Itália), Can-Am XRS Turbo – 25h03min37seg

Publicado em CAN-AM DAKAR Com a tag , , , , |

Dakar 2021 – Can-Am continua dominando após o 4º dia do Dakar nos UTVs

Duplas polonesas dominam 4ª etapa, com vitória de Aron Domzala e Maciej Marton da equipe Monster Energy Can-Am;
Chilenos Francisco “Chaleco” Lopez e Juan Pablo Vinagre seguem na liderança geral acumulada após ficarem em 4º lugar na etapa;
Menos de 10 segundos separaram os oito primeiros classificados na etapa de hoje.

Aron Domzala e Maciej Marton foram os vencedores da etapa da 4ª feira, e mantiveram a vice-liderança da geral.  Crédito: MCH Photography

Aron Domzala e Maciej Marton foram os vencedores da etapa da 4ª feira, e mantiveram a vice-liderança da geral. Crédito: MCH Photography

O dia com maior trecho em deslocamento do Rally Dakar, na Arábia Saudita, foi marcado mais uma vez por grande equilíbrio entre os UTVs. Foram 813 km no total, com vitória dos poloneses Aron Domzala e Maciej Marton, da equipe Monster Energy Can-Am. A festa dos poloneses na etapa ficou ainda mais completa com o 2º lugar da dupla Michal Goczal e Szymon Gospodarczyk, que também competem com Can-Am.

A prova desta quarta-feira teve 65% de trechos de areia, 31% de terra e 4% de dunas, portanto, foi um dia de velocidades maiores do que o dia anterior e menos sofrimento para os veículos pelo caminho. O trecho cronometrado teve um total de 337 km.

Entre os brasileiros, a quarta-feira foi de outro bom resultado para o navegador Gustavo Gugelmin, campeão do Dakar em 2018, que atualmente compete em dupla com o piloto americano Austin Jones, também na equipe Monster Energy Can-Am. Eles fecharam o dia na 3ª colocação, apenas 4 segundos atrás dos vice-líderes. Com o resultado, seguem na 3ª colocação também na classificação acumulada do Dakar.

“Foram 330 km de uma especial rápida, largamos atrás do líder e fomos a prova inteira duelando com ele (Chaleco Lopez). No finalzinho nós conseguimos passar, mas em meio a poeira demos um salto e acertamos uma árvore, um arbusto gigante que amassou a frente do carro. Nós voltamos para o ritmo, acabamos nos perdendo juntos no último waypoint, em função de estarmos muito rápidos nesse final, e terminamos o dia em 3º. O deslocamento também foi bem cansativo, foram 250 quilômetros no início e mais 250 quilômetros no final. Amanhã já teremos mais dificuldade com 450 km de especial, tem tudo para ser um dia puxado”, diz Gugelmin.

A dupla chilena Francisco “Chaleco” Lopez e Juan Pablo Vinagre da South Racing Can-Am lutou até o final para chegar à frente de Jones e Gugelmin, fechando apenas 1seg atrás dos adversários. Apesar disso, os chilenos seguem na liderança da geral com o tempo acumulado de 16h38min57seg.

“Foi um dia bem rápido, onde fomos bem constantes, não tivemos nenhum pneu furado hoje em especial, redobramos os cuidados porque havia muitas pedras. É importante para manter a liderança e quem sabe seguir assim até o final do Dakar”, diz Chaleco.

O piloto campeão do Dakar em 2018, Reinaldo Varela e o navegador Maykel Justo estão na 8ª colocação geral após terminarem a quarta etapa em 14º lugar. A dupla teve dois pneus furados no trecho especial desta quarta-feira.

A caravana com mais de 300 veículos do Dakar sairá da capital Riad nesta quinta-feira até Burayda. O dia será composto por um trecho total de 625 km, sendo 419 km de especiais cronometradas.

Confira a classificação preliminar na categoria UTV, do 4º dia de prova e o resultado geral acumulado do Dakar 2021:

Quarto dia – 06 de janeiro

1º) Aron Domzala (Polônia)/Maciej Marton (Polônia), Can-Am Maverick X3 – 3h16min57seg

2º) Michal Goczal (Polônia)/ Szymon Gospodarczyk(Polônia), Can-Am Maverick XRS– 3h19min41seg

3º) Austin Jones (EUA)/Gustavo Gugelmin (Brasil), Can-Am Maverick XRS Turbo – 3h19min45seg

4º) Francisco “Chaleco” Lopez (Chile)/Juan Pablo Latrach Vinagre (Chile), Can-Am Maverick XRS Turbo – 3h19min47seg

5º) Sergei Kariakin (Rússia)/Anton Vlasiuk (Rússia), Can-Am Maverick X3 Turbo – 3h 24min53seg

6º) José Antonio Hinojo Lopez (Espanha)/Diego Ortega Gil Espanha), Can-Am Maverick X3 Turbo – 3h24min57seg

7º) Saleh Alsaif (Arábia Saudita)/Oriol Vidal Montijano (Espanha), Can-Am Maverick X3T3PRO Turbo – 3h26min10seg

8º) Marek Goczal (Polônia)/Rafal Marton (Polônia), Can-Am XRS Turbo – 3h26min32seg

9º) Khalifa Al Attiyah (Qatar)/Paolo Ceci (Itália), Can-Am XRS Turbo – 3h29min46seg

10º) Fernando Alvarez (Espanha)/Antonio Gimeno García (Espanha), Can-Am XRS Turbo – 3h30min20seg

Resultado Acumulado após 4 etapas:

1º) Francisco “Chaleco” Lopez (Chile)/Juan Pablo Latrach Vinagre (Chile), Can-Am Maverick XRS Turbo – 16h38min57seg

2º) Aron Domzala (Polônia)/Maciej Marton (Polônia), Can-Am Maverick X3 – 16h42min15seg

3º) Austin Jones (EUA)/Gustavo Gugelmin (Brasil), Can-Am Maverick XRS Turbo – 16h46min08seg

4º) Sergei Kariakin (Rússia)/Anton Vlasiuk (Rússia), Can-Am Maverick X3 Turbo – 17h00min36seg

5º) Saleh Alsaif (Arábia Saudita)/Oriol Vidal Montijano (Espanha), Can-Am Maverick X3T3PRO Turbo – 17h05min35seg

6º) José Antonio Hinojo Lopez (Espanha)/Diego Ortega Gil (Espanha), Can-Am Maverick X3 Turbo – 17h08min35seg

7º) Michal Goczal (Polônia)/ Szymon Gospodarczyk(Polônia), Can-Am Maverick XRS – 17h17min22seg

8º) Reinaldo Varela (Brasil)/Maykel Justo (Brasil), Can-Am Maverick XRS Turbo – 17h19min56seg

9º) Santiago Navarro (Espanha)/Marc Sola Terradellas (Espanha), Can-Am Maverick X3 Turbo – 17h32min14seg

10º) Gerard Farres (Espanha)/Armand Monleon (Espanha), Can-Am Maverick XRS Turbo – 18h04min00seg

Publicado em CAN-AM DAKAR Com a tag , , , , |